Categoria: IDEIAS DE OUTROS

Educação brasileira e o contexto global: por que não avançamos? Por Janguiê Diniz

No momento em que o Brasil corre o risco de ver extinta sua maior política pública de acesso à educação superior da história, o Relatório de Monitoramento Global da Educação 2017/18, recém divulgado pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), alerta para o quanto a transformação de uma política social em política econômica pode comprometer o progresso do país.

A agenda de desenvolvimento sustentável adotada pelas Nações Unidas, lançada em setembro de 2015 com metas a serem atingidas até 2030, inclui entre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) a garantia de educação inclusiva, equitativa e de qualidade, além de promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todas e todos.

Algumas metas relacionadas a esse objetivo, o 4º em uma lista de 17, ressaltam exatamente a relevância da educação superior para que as nações consigam melhorar a vida das pessoas. A meta 4.3, por exemplo, diz que cabe aos Estados-Membros assegurarem a igualdade de acesso para todos os homens e mulheres à educação técnica, profissional e superior de qualidade, a preços acessíveis, incluindo universidade. Além disso, também está entre as metas o aumento do contingente de professores qualificados. Continue reading “Educação brasileira e o contexto global: por que não avançamos? Por Janguiê Diniz”

Anúncios

Sustentabilidade deve ser um dos pilares empresariais.

 

Janguiê-Diniz1

Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direito – Reitor da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau – Fundador e Presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional – janguie@sereducacional.com

 

Há vinte anos, poucos empresários consideravam importante o respeito ao meio ambiente. Atualmente, a sustentabilidade é um elemento central na atividade e cada vez mais essencial na estratégia das empresas. Durante muito tempo se acreditou, erroneamente, que a sustentabilidade estaria diretamente relacionada ao meio ambiente. Entretanto, essa ideia é dividida em três principais pilares: social, econômico e ambiental. Para se desenvolver de forma sustentável, uma empresa deve atuar de forma que esses três pilares coexistam e interajam entre si de forma plenamente harmoniosa.

 

O pilar ambiental refere-se, basicamente, à preservação do meio ambiente e dos recursos naturais, além da redução do desperdício de materiais. O social compreende ao capital humano relacionado às atividades do empreendimento, incluindo a comunidade, o público-alvo, os fornecedores e a sociedade em geral. E finalizando, o econômico inclui assuntos referentes à produção, distribuição e consumo de bens e serviços, considerando os pilares ambiental e social.

 

Para a ONU, entre os dez objetivos que o mundo poderia adotar para atingir o desenvolvimento sustentável estão erradicar a pobreza extrema, incluindo a fome; assegurar o aprendizado efetivo de todas crianças e jovens para a vida e a subsistência; alcançar a saúde e o bem-estar para todas as idades; melhorar os sistemas agrícolas e aumentar a prosperidade rural; tornar as cidades mais inclusivas, produtivas e resilientes; entre outras.

 

O desenvolvimento sustentável já é um assunto recorrente na sociedade mundial. A assiduidade das pautas de discussão está ligada diretamente a urgência e a necessidade de se criar movimentos para equilibrar as ações desenvolvimentistas do homem e da preservação dos recursos naturais. Assim, pensar no desenvolvimento sustentável implica considerar a necessidade de recuperar o patrimônio natural, preservar os ecossistemas e definir o uso racional dos recursos, permitindo o equilíbrio socioeconômico e cultural.

 

Mundialmente, o consumidor brasileiro é menos preocupado com a preservação dos recursos naturais do que os consumidores dos países desenvolvidos. Nos EUA, ações de premiação para as empresas que agem sustentavelmente já alcançam 50% da população consumidora. Essa relação fica ainda mais clara quando analisamos o percentual das pessoas que buscam os produtos ecologicamente corretos: nos países desenvolvidos esse número é de 39%, enquanto aqui, os percentuais são de 13%.

 

O papel da educação e da erradicação da pobreza é extremamente importante para atingir os objetivos propostos pela ONU. Um país que investe em educação está investindo em desenvolvimento – econômico e sustentável. É preciso criar e ter a consciência de que assegurar esse equilíbrio entre o desenvolvimento dos países e a preservação do meio ambiente, significa, acima de qualquer outro objetivo, garantir que nossos filhos, netos e bisnetos tenham condições mínimas de sobrevivência.

 

A busca das empresas pelo equilíbrio de suas ações nas áreas econômica, ambiental e social, visando à sua sustentabilidade e a uma contribuição cada vez mais efetiva à sociedade, é hoje um fato. Para medir esse equilíbrio, alguns modelos e ferramentas de gestão, globalmente aceitos, têm sido utilizados no dia-a-dia empresarial para o aperfeiçoamento de seus processos e ações.

 

Mas a sustentabilidade, entendida no ambiente corporativo como fator estratégico para a sobrevivência dos negócios, é bem mais que um princípio de gestão ou uma nova onda de conceitos abstratos. Representa um conjunto de valores e práticas que deve ser incorporado ao posicionamento estratégico das empresas para definir posturas, permear relações e orientar escolhas.

“HUMANOLOGIA, A TECNOLOGIA QUE NÂO PODE FALTAR”

Dra. Carla Pachêco, médica Intensivista e escritora, autora da série de livros Perfume de Hotel.

carla pacheco 1

Parafraseando o escritor quando ele diz “Ah, se todos os erros fossem licenças poéticas”, eu diria: Ah, se todos fossem contaminados por essa tal de humanização.

Quando a vida real começa, e uma hora é inevitável que comece, quando a realidade confronta o sonho, o significado das escolhas que fizemos irá transparecer generoso ou cruel, como um fardo ou uma benção, evidenciando sem disfarces quem selecionou seu roteiro com a convicção de que quer ser protagonista, daquele que preferia estar fazendo outra coisa. Qualquer coisa.

Não resta dúvida de que quem não se sentir recompensado por fazer o bem, sem olhar a quem, não deve exercer qualquer profissão que imponha a relação cotidiana com pessoas. Menos ainda aquelas fragilizadas pela doença.

Como diz o filósofo Mario Sérgio Cortella: “O que importa é saber o que importa”.

Gostar de gente, eis a questão!

Medicina é ciência e arte. Uma ciência não exata, em que um mesmo problema (doença) pode levar a vários resultados; e é a mais bela e a mais difícil de todas as artes, aquela que exige de nós sabedoria, porque mesmo quando tudo parece óbvio, pode não ser; que exige de nós uma atuação ética e atitudes equilibradas, mesmo com as nossas emoções sendo tocadas; que exige de nós uma doação diária, sem nos deixar extinguir.

Vivemos tempos modernos, tempos de avanços impressionantes no campo da tecnologia. E na contramão do casamento bem-sucedido da tecnologia com a ciência, aprimorando a técnica, temos o distanciamento da tecnologia com a arte, afetando drasticamente a forma das pessoas se relacionarem, contribuindo para o processo de (des)humanização.

A técnica é livre de pudores, se despe para todos aqueles que se esmeram na aprendizagem. Então, odetalhe está no que sobra da técnica. Arte! A arte é que faz o detalhe, e é no detalhe que reside toda a diferença.

Se habilidoso, se bem instruído e bem treinado, um médico pode vir a exercer seu papel com eficiência e obter o resultado esperado frente à escolha da técnica a ser empregada na sua abordagem caso a caso, mas o fato é que isso nem de longe quer dizer exercer a medicina com maestria.

Citando Dr. JJ Camargo: “é essa tal de humanização que qualifica, que distingui o artista, aquele que é mestre do ser humano comum”.

O técnico sabeidentificar o problema e se valer da tecnologia para solucioná-lo. Mas é o artista que sabe reconhecer o momento, que sabe perfeitamente do que os pacientes realmente necessitam. É o artista que os faz sentir confortáveis, seguros e com esperança; que dominaa arte de consolar; que é capaz de sentir empatia.

Qual especialidade devo fazer? Antes de tudo o médico precisa ser especialista em gente. Médico de homens e de almas.

Sensibilidade, empatia, uma forma diferente de cuidar… o que vai na essência, ou seja, que está na substância do ser e que, portanto, não pode ser fabricado… um elemento poderoso que surge e é capaz de imprimir no outro uma marca que não irá se apagar.

Ainda que a vida siga um rumo diferente daquele que idealizamos para nós, ainda que não nos seja possível reinventar um capítulo da nossa história ou alterar seu desfecho, há muitas maneiras de sermos salvos.

Pena que muitos não compreendam, e tantos outros nunca cheguem a compreender, que a HUMANOLOGIA seja, sem dúvida nenhuma, uma delas, tanto para quem a recebe quanto para quem a pratica.

Como bem escreveu a Martha Medeiros: “o amor virtual é legal, mas o teclado ainda não dá conta de certas sutilezas”.

A medicina de excelência só é possível quando conjugamos sutilezas e detalhes.

A inclusão digital no Brasil ainda é um desafio – Janguiê Diniz

Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direito – Reitor da UNINASSAU – Centro Universitário Maurício de Nassau – Fundador e Presidente do Conselho de Administração do grupo Ser Educacional – janguie@sereducacional.com

Nos últimos anos a inclusão digital passou a ser um indicador importante no quadro de desenvolvimento de qualquer país. A partir da segunda metade dos anos 90, a sociedade brasileira assistiu a uma notável expansão do uso da internet e dos telefones celulares. Inclusão digital é a democratização do acesso às tecnologias da informação, visando a inclusão de todos na sociedade da informação. Contudo, inclusão digital é também simplificar as atividades, maximizar o tempo e as suas potencialidades. Um indivíduo incluído digitalmente é aquele que usa desse suporte para melhorar as suas condições de vida.

Deixemos claro que, para que a inclusão digital aconteça, é preciso três instrumentos básicos: computador, acesso à internet e domínio dessas ferramentas, já que, não basta apenas o cidadão possuir um computador conectado à internet para ser considerado um incluído digital. Um total de 102,1 milhões de brasileiros possuem acesso à Internet no Brasil, de acordo com os dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), divulgada em novembro do ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O número pode até parecer expressivo, mas corresponde a cerca de 49% da população brasileira. Isso significa que 51% dos mais de 200 milhões de brasileiros ainda não estão incluídos no mundo digital, o que ajuda a explicar a performance ruim do Brasil em uma outra pesquisa: o Brasil está em 72º no ranking global de taxa de acesso às tecnologias da informação, segundo o índice Integrado de Telefonia, Internet e Celular. 

Em outra pesquisa, o Brasil aparece na 18º posição de um ranking de 75 países que identifica as condições de acesso à internet. O levantamento foi realizado pela The Economist Inteligence Unit em parceria com o Facebook. O estudo também mostra que o Brasil está entre os dez países do mundo com maior número de população desconectada.

Cenário de apreensão

RIO SÃO FRANCISCO

Carinhosamente chamado de Velho Chico no cinema, na TV e na música, o rio São Francisco é o maior e mais importante do Nordeste do Brasil. Ao longo dos seus 2830 quilômetros de extensão, existem seis usinas nele instaladas que podem armazenar até 97% da energia da Região, além de ser fonte de água para navegação, pesca, irrigação, consumo humano e animal.

No biênio 2016/17 foram registrados seus piores índices de Energia Natural Afluente (ENA), podendo no final do ano a hidrelétrica de Sobradinho, hoje com apenas 3%de armazenamento, ser desligada para que não chegue ao seu volume morto. Sua vazão normal seria 1300 m3/s, já foisistematicamente reduzida até 550 m3/s enão deve baixar mais pelo prejuízo que pode causar aos múltiplos usos do rio. Não há perspectiva de falta de energia nesse ano, mas essa situação exige uma operação cara e delicada.

Nesse momento, o pico de carga no Nordeste está 10.416 MW médios, sendo suprido com as eólicas (50%), térmicas (35%), hidrelétricas (14%) e solar (1%). Na análise das fontes verificamosque as eólicas são intermitentes, funcionam melhor com os ventos da noite e precisam das térmicas para assegurar o suprimento contínuo e economizar água. As térmicas aqui instaladas foram projetadas para operar no liga-desliga das horas de pico e por utilizarem óleo combustível, e até diesel, são poluentes e caras. Não é à toa que são chamadas de térmicas “bang-bang”,pela forma de operar,e Chanel nº 5, pelo preço. Por estarem agora trabalhando como energia firme na base do sistema, ou seja, sem desligar, os riscos de defeito aumentam e com eles os custos de manutenção para evitá-los. Se precisar de intercâmbio de outras regiões, não pode haver defeito nas linhas de transmissão na interligação Norte-Nordeste que participam do MRE (Movimento de Realocação de Energia).                                                                                                                                                                                                                                                                                            Muito embora a hidrologia abaixo da média histórica tenha grande influência, a situação crítica por que passa o suprimento de energia no Nordeste é estrutural. O sucesso da expansão das eólicas teria que vir acompanhada de térmicas na base com partida rápida para suprir a incerteza dos ventos, já que não temos mais água como opção. É preciso que fique bem claro não ser possível num sistema de potência interligado do nosso porte, ter seu suprimento com 100% de fontes eólicas e solares. Elas devem ser complementares em no máximo 30% porque não temos bons ventos durante o dia, nem sol durante a noite e, no momento, o armazenamento de energia nessas proporções é economicamente inviável. Assim, fica um vácuo de demanda a ser atendida que deve ser coberto com usinas de inércia, ou seja, por hidrelétricas e térmicas de partida rápida, para que seja assegurada a continuidade de fornecimento. Como não temos água, a melhor forma de recuperação dos reservatórios para o uso múltiplo dos rios é uma operação combinada de usinas solares, eólicas e térmicas com CVU (Custo de Valor Unitário) o mais baixo possível operando na base.

Atualmente, a melhor opção está no Programa Gás para Crescer, inicialmente utilizando o GNL (Gás Natural Liquefeito) importado, que está com sobreoferta no mercado internacional, até que possamos dispor do gás extraído do nosso pré-sal. Em paralelo,térmicas à biomassa operando como energia firme ou com alta inflexibilidade.

Geoberto Espírito Santo

Personal Energy – GES Consultoria, Engenharia e Serviços

Como se comporta sua marca nas Redes Sociais?

As redes sociais são um fenômeno de mídia sem volta, tanto no Brasil como no mundo, totalmente incorporadas na nossa cultura. Graças à internet e os smartphones o modo como todos nós nos conectamos transformou também o universo corporativo e como as marcas querem se conectar com seus clientes.  Sendo assim, se tornou necessário para todos os tipos de negócios se posicionarem de forma eficiente com seus públicos nessas diversas redes sociais. Aqui no nosso país a mais relevante é o Facebook, mas o sucesso dos Youtubers e Personalidades Influentes Digitais em redes como Instagram e YouTube faz com que as marcas também utilizem estas redes como plataformas criativas de campanhas e ações de marketing.

Continue reading “Como se comporta sua marca nas Redes Sociais?”

Ser Marqueteiro é bom?

Outro dia escutei de uma pessoa o termo “Marqueteiro” e logo em seguida de que eu não era do tipo contratado por políticos. Achei interessante o adendo, pois era um elogio usando um termo comum seguido de uma explicação da minha conduta moral. Só aí percebi a precarização do termo na mídia ligando os profissionais das campanhas políticas e suas tramoias com políticos que transformou o termo em algo pejorativo, corruptíveis. Nota-se que a maioria na verdade são donos de agência de publicidade, Publicitários, mas o sufixo “eiro” é que dá o tom que remete a termos chulos, então melhor chamar de Marqueteiro pra dar mais impacto.

Antes disso era alcunha para criativos, solucionadores e transformadores de resultados. Dos famosos e midas da comunicação. Na academia se reconhece o profissional de marketing como Mercadólogo. Apesar do título coerente, você não vai ver esse termo ser usado além dos “TCCs” ou das revistas especializadas, daquelas com fotos de pessoas em ternos, braços cruzados de frente a um banner ou a empresa ao fundo.

Apesar de ter pós-graduação na área, nunca me chamaram de Mercadólogo e das vezes em que fui chamado de Marqueteiro isso sempre esteve relacionado positivamente. Se até Kotler (um dos Papas do marketing) usa o termo, ou pelo menos, seus tradutores usem, espero que essa ideia ruim que paira sobre o profissional não cristalize.

382dafa

 

CAETANO FREGAPANE

Marketing na SOCELME – Eletro Metalúrgica

Recife, Pernambuco, Brasil

Revolta Canina – por Mendes de Barros

Por mais incrível que possa parecer o senhor Gilmar Mendes,  Ministro do Supremo Tribunal Federal, a mais alta instituição judicial da república, respondendo a uma entrevista televisiva em  tom próprio de caçoada, declarou que “não é o rabo quem balança o cachorro. O cachorro é quem balança o rabo”.

Referia-se o ministro ao fato decorrente de uma decisão  de sua competência concedendo um “habeas corpus” e anulando uma prisão decretada por um juiz de instância inferior, contra acusado de corrupção.

Inaceitando a interferência, o juiz expediu novo mandado de prisão que, outra vez, foi anulado por outro “habeas corpus” do destemido Gilmar.

A manifestação do ministro comparando o rabo do cachorro com o animal propriamente dito leva ao entendimento de que o uiz, por ser de instância inferior, teria menor voluma que o seu ( dele, ministro) o que leva ao entendimento de que o ministro assumiu o lugar do cachorro em consequência do que, sobrou o rabo do cachorro para o juiz.

Com a mais absoluta certeza os caninos não aceitarão a imagem estupidamente grosseira e protestarão com um monumental latido esperand-se seja ouvido pelos que, realmente, sejam ministros do egrégio Supremos Tribunal Federal com as devidas responsabilidades intelectual, profissional e, sobretudo, moral indispensáveis ao exercício das funções definitivas do maior baluarte dos princípios constitucionais democráticos, da estrutura jurídica e, acima de tudo, da dignidade nacional, ultimamente agredida por grande número de integrantes do poder judiciário em todos os níveis de seu procedimento funcional.

Juiz não tem rabo. Quem o tiver que o balance nas esquinas da zona, jamais em audiências judiciais.

Muito prazer “Prosumidor”

O desperdício foi a principal característica dos tempos da energia farta e barata, quando o agente final da relação era chamado de consumidor. Quando chegamos à conclusão das sérias implicações que o consumo de energia tem nos investimentos, nos preços, na produtividade, na competitividade e nos impactos ambientais, veio a racionalização no uso e o consumidor ficou sendo visto como usuário. Com a evolução das relações produção-consumo, da qualidade do serviço e das opções de suprimento, esse usuáriopassou a ser consideradoclientequando as concessionárias se deram conta que ele é a razão da sua existência. Em todas essas fases tínhamos uma condição imposta de cima para baixo, sempre reproduzindo as relações que o sistema político tinha com a sociedade. A geração e a transmissão sendo feitas pelas estatais do Governo Federal, às distribuidoras nos estados cabia apenas comprar a energia que era transmitida pelos grandes geradores para vender aos seus consumidores. Quem detinha a geração, tinha o poder. O consumidor/usuário/cliente era um agente passivo na relação. Continue reading “Muito prazer “Prosumidor””

A Nossa Escolha Fez a Diferença

O Maio amarelo, criado em 2014, é um Movimento mundial presente em 23 países de cinco continentes e que tem como principal objetivo mobilizar a sociedade em prol da segurança viária, atuando para salvar vidas nas estradas do mundo todo, e conscientizando a todos sobre a importância do respeito no trânsito.

O cenário do trânsito no Brasil, de fato, não é dos melhores. As rodovias brasileiras são consideradas como uma das mais perigosas do mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o país apresenta uma taxa de 23,4 mortes no trânsito para cada 100 mil habitantes, o maior da América do Sul. Em 2013 o número registrado foi de mais de 41 mil vítimas fatais. O Centro de Pesquisa e Economia do Seguro (CPES), da Escola Nacional de Seguros, em estudo realizado com base nos dados do ano de 2016, estimou que o prejuízo com a violência no trânsito chegou a R$ 146,8 bilhões só no ano passado, cerca de 2,3% do Produto Interno Bruto do País. Continue reading “A Nossa Escolha Fez a Diferença”