Ouvidor Geral 06-04-2020

            UM MOMENTO DE PAUSA

            Lindo! Em meio à crise, em meio às angústias, ao isolamento, à mudança obrigatória de hábitos, de repente, não mais que de repente ela chega suave, gostosa, alertadora de que a vida existe e de que todos podemos usufruir de sua paz ainda que presos em nossas casas. De repente, cortando os ares, o som dos trompetes, dos saxes e a grande surpresa: de onde viria aquele som que tão bem estaria fazendo aos nossos ouvidos? As sacadas começam a receber gente, gente que de dentro de suas casas vêm respirar o alento da música  e pasmam ao ver que ali, na sua rua, na sua calçada, estão os portadores da alegria, da esperança e do amor. Eles, que sempre estão na rua buscando nossa proteção contra a violência urbana; eles, os homens que fazem a Ronda das Ruas, eles mesmos, ao invés de armas, instrumentos de sopro como a nos dizer em sussurros musicais que ali estão para nos mostrar o quão suaves e respeitosos podem ser para a população que protegem. Parabéns à Policia Militar de Alagoas! Parabéns aos integrantes da Ronda das Ruas! Parabéns ao exemplo de solidariedade e de carinho para com este povo que, de suas sacadas lhes estendem as mãos agradecidas, ainda que de longe.

DESTACÔMETRO

DANIEL 2 BERANRDES

O destaque vai para o amigo e companheiro de Tribunal de Contas, Daniel Bernardes que, por seus méritos recebeu justas homenagens da Maçonaria em Loja local.

PÍLULAS DO OUVIDOR

Os avisos são constantes dizendo que o grande momento de propagação do vírus é agora porque estão terminando os prazos de incubação é exatamente a hora em que ele se manifesta nas pessoas, Daí a necessidade do isolamento quase que total.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, se reuniu com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd C. Chapman, para tratar de parcerias na área da saúde entre os países no enfrentamento da pandemia da Covid-19.

O Ministério da Saúde vai cadastrar cerca de cinco milhões de profissionais de saúde que poderão atuar em todo país no combate ao coronavírus. O reforço é para auxiliar os gestores do Sistema Único de Saúde (SUS.

O Governo do Brasil vai financiar pesquisas sobre novos métodos de diagnóstico, tratamento e interrupção da transmissão no país do coronavírus. Serão destinados R$ 50 milhões pelos ministérios da Saúde e Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. 

Todos engajados nos processos de combate ao terrível vírus que assola o mundo e aqui no Brasil a briga política acontecendo da pior maneira possível envolvendo o presidente e outros afins ou não afins. Coisa feia, muito feia, nessa hora.

A conscientização de que precisamos estar unidos nesse processo parece que não entra na cabeça de certas pessoas que preferem dar vazão aos seus sentimentos mesquinhos do que buscar o melhor para os seus semelhantes.

Apesar do que, acho que muitos nesse processo estão entendendo melhor o espírito de solidariedade, do amor ao próximo e até um pouco da consciência de que somos todos iguais e o futuro é o mesmo lugar para todos.

Havemos de tirar o chapéu para as autoridades alagoanas estaduais que, sob o comando firme do governador Renan Filho estão à frente de decisões muito importantes neste momento dificil para todos.

E se é para tirar o chapéu vou tirá-lo em causa própria para os valentes que estão fazendo a programação da TV Cidadã sem deixar cair o volume e a qualidade. Vejam por exemplo, os Jornal Atricon e TCNews. Juliana dos Anjos e Valtenor Leôncio.

SÉRGIO LYRA

Um bom prefeito, um bom poeta, um bom amigo, esse mais ou menos o retrato de Sérgio Lyra (foto), prefeito de Maragogi e pré-candidato a continuar por méritos adquiridos naquela cidade litorânea que encanta a todos que a visitam.

ABRAÇOS IMPRESSOS

GERALDO GRAVAÇÃO

Os abraços impressos vão para os inúmeros telespectadores do Bartpapo e do Almoçando com a Notícia que, neste momento recebem os nossos programas com belos momentos de entrevistas anteriores. Na foto, hora de gravação…em casa! Sábados das 9 às 10h, BAND, canal 38-1 aberto e NET 18 ou 518.

LEGISLAÇÃO INVASIVA

LEGISLAÇÃO INVASIVA  – Geoberto Espírito Santo – GES Consultoria, Engenharia e Serviços.

Diante da pandemia do coronavírus, as autoridades governamentais, instituições e todos nós procuramos buscar soluções que venham a minimizar os efeitos dantescos dessa crise respiratória e, nesse afã, algumas das medidas não reconhecem os limites de suas competências institucionais, o que denominamos de Legislação Invasiva. Nesse caso, vamos aqui nos referir às distribuidoras de energia elétrica e passamos a citar abaixo várias decisões/propostas de atuação para as mesmas, que temos observado e ouvido.

Estados ou municípios suspendendo, por leis e/ou decretos, o corte no fornecimento de energia elétrica – realmente não deveria ser cortado, de forma indiscriminada, o fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento da conta de luz, mas a competência para a determinação dessa medida é do Governo Federal, no caso, da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), órgão que tem a delegação da União para regular o mercado de energia elétrica. Citamos a nossa Constituição, Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: – Inciso IV – águas, energia, informática, telecomunicações e radiodifusão. Cabe ao Congresso Nacional aprovar as leis, o Presidente da República sancioná-las e a ANEEL regulamentá-las. Decisões de juízes nesse sentido amplo de apoio aos governos, também não têm amparo legal. Dentre outras medidas diretamente voltadas aos serviços de energia em tempo de crise, a ANEEL decidiu vedar a suspensão do fornecimento por inadimplência de unidades consumidoras por 90 dias. Talvez para prevenir que essa decisão possa resultar numa inadimplência generalizada e que, sem receita, as distribuidoras não terão como sustentar os demais serviços, deixou a orientação de que isso não impede as medidas de cobranças de débitos vencidos, previstos na legislação, inclusive a negativação dos inadimplentes em cadastros de crédito.

Descontos para os consumidores residenciais num período de 3 (três) meses – sem lei federal, é uma medida que pode ser determinada apenas pela ANEEL. Conforme citado acima, a Agência certamente a tomará, desde que haja a cobertura desses custos pelo Tesouro Nacional. Caso contrário, vai provocar um desequilíbrio econômico-financeiro da concessão por um motivo que não faz parte do risco empresarial, porque foi uma decisão do Governo Federal em tempo de crise extrema.

Suspender o pagamento das bandeiras tarifárias – mesmo argumento do item anterior. Entretanto, vale a pena aguardar mais um pouco, haja vista que a desaceleração da economia vai provocar uma baixa na demanda de energia, talvez não seja necessário usar as térmicas e, nesse caso, a adoção da bandeira verde, que não provoca acréscimo na conta de luz.

Suspender a entrega das faturas de energia feitas diretamente pelo leiturista, passando a usar o meio eletrônico – o argumento é para se evitar o contato. Talvez não seja bem assim, pois devemos, após recebimento de comida pelo delivery, correspondências pelos Correios ou outra qualquer coisa vindo de outra pessoa e do ambiente externo, lavar bem as mãos com álcool gel 70% e, preferencialmente, com água e sabão. Mas essa entrega por meio eletrônico é também de interesse das distribuidoras, pode ser uma medida de “antecipação do futuro” que elas empresarialmente podem tomar, pois reduz o seu custo operacional.

Deixar de pagar as contas de luz quando enviadas por meio eletrônico, por não ter certeza do envio/recebimento – depois que a primeira conta foi recebida por meio eletrônico, e paga, esse argumento fica sem sentido para as próximas contas.

Não realizar reajustes tarifários durante essa fase do coronavírus– as revisões e os reajustes tarifários devem ser calculados, processados e homologados pela ANEEL, mas cabe a Agência Reguladora a postergação da sua aplicação. Certamente que a diferença, entre a data de homologação e a data de aplicação, deverá ser coberta com recursos do Tesouro Nacional.

Distribuidoras tomarem medidas de caráter tributário– na conta de luz que vai para o consumidor existem recolhimentos de encargos, tributos e uma contribuição, que são destinados aos governos federal, estadual e municipal. A decisão de não cobrar, e até mesmo de não ser recolhida pela distribuidora, não é de sua competência. No caso do PIS/COFINS cabe ao Governo Federal, o ICMS aos governos estaduais e a CIP aos governos municipais. Para concessionárias de geração e transmissão, o raciocínio é o mesmo.

Decisão para as distribuidoras fecharem seus estabelecimentos de trabalho e de atendimento presencial ao público– pelo atendimento a esses determinações saudáveis dos governos estaduais e/ou municipais, existe a opção pelos meios eletrônicos. Essa decisão também foi tomada agora pela ANEEL e cabe às concessionárias discutirem com a Agência suas exposições a multas e punições contratuais porque muitos índices de qualidade do serviço, desempenho no atendimento e satisfação do consumidor poderão resultar em não cumprimento das metas fixadas.

Sobrecontratação – com a redução da atividade econômica haverá impacto para baixo, no consumo de energia. As distribuidoras adquirem o volume de energia para atenderem ao seu mercado com 5 (cinco) anos de antecedência, através dos leilões. É óbvio que o coronavírus, e seus efeitos, não foram considerados naquela época, podendo aquela compra resultar agora numa sobrecontratação. Uma sobrecontratação de até 5% pode ser repassada para a tarifa no ano seguinte, mas, em percentual superior, deve ser assumida pelos acionistas da empresa. Existem mecanismos de curto prazo na legislação, exemplo do Mecanismo de Compensação de Sobras e Déficits (MCSD), que podem transferir essa sobra para outras com déficit. Mas, nesse caso, a sobrecontratação foi decorrente de uma razão externa aos riscos inerentes ao setor elétrico. Cabe ao MME (Ministério de Minas e Energia) e a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) encontrarem formas de resolver o problema, caso os existentes não sejam suficientes.

Isenção de 100% nos descontos das tarifas de energia elétrica para consumidores de baixa renda – Os efeitos do coronavírus vão impactar sobremaneira nos consumidores de energia considerados de baixa renda, que atualmente têm um desconto de até 65% sobre as tarifas praticadas para o consumo residencial. As faixas de descontos são as seguintes: a) Até 30 kWh/mês = 65%; b) De 31 a 100 kwh/mês = 40%; c) De 101 a 220 kWh/mês = 10%; d) De 220 kWh/mês em diante = zero. As concessionárias de distribuição de energia elétrica vem sofrendo pressões nos estados e no legislativo federal, dentre eles o de não pagamento das contas, um estímulo à inadimplência. Uma solução para essas pressões é dar um desconto de 100% apenas para os consumidores de baixa renda. Entretanto, a questão é como oferecer esse alento a essa faixa de consumidores, sem desorganizar o setor, no caso específico agora, a distribuição. E isso não depende das concessionárias, nem dos governos estaduais: depende do Congresso Nacional, conforme legislação em vigor. No orçamento de R$ 21,9 bilhões da CDE (Conta de Desenvolvimento Energético) para esse ano, já estão destinados R$ 2,6 bilhões para a tarifa social. Mas para o objetivo pretendido, de oferecer 100% de desconto para os consumidores considerados de baixa renda, por três meses, ainda precisaria um adicional de R$ 1 bilhão. A articulação vem sendo feita pelo senador Marcos Rogério (DEM-RO) e o Ministério de Minas e Energia (MME) e a solução tem que vir por MP (Medida Provisória), o que está sendo estudada com o ministro Bento Albuquerque, mas que, até esse momento, não tem nenhuma definição.

Câmara dos Deputados continua recebendo projetos para impedir corte no fornecimento de luz e gás – Mesmo depois da decisão da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), a Câmara dos Deputados já protocolou oito projetos de lei com o objetivo de impedir o corte no fornecimento de luz e gás durante a pandemia do coronavírus. Todas as propostas extrapolam os 90 (noventa) dias da resolução da ANEEL e quase todas são de parlamentares da oposição ao governo. As distribuidoras de energia elétricas estão acatando a decisão do Órgão Regulador, mas continuam reforçando a necessidade dos pagamentos da conta de luz continuarem sendo feitos e, devem adotar os mecanismos de cobrança a que se refere a resolução. Vale salientar que no caso do gás natural, essa decisão cabe aos Estados, conforme Art.25 da Constituição Federal: “Os Estados organizam-se e regem-se pelas Constituições e leis que adotarem, observados os princípios desta Constituição….Parágrafo 2º – Cabe aos estados explorar diretamente ou mediante concessão a empresa estatal, com exclusividade de distribuição, os serviços locais de gás canalizado.”

Será que as procuradorias dos governos, das assembleias legislativas e das câmaras de vereadores não estão sendo ouvidas, ou seus pareceres não estão sendo levados em conta? Parece que está faltando mesa, de união de esforços para sairmos dessa crise, que é mundial, com os menores prejuízos possíveis e maior solidariedade humana.

Ouvidor Geral 30-03-2020

PARAR OU NÃO PARAR, EIS A QUESTÃO!

                  Uma questão polêmica que mistura saúde pública, política e economia. Uma questão que envolve presente e futuro de nações sob aspectos os mais diversos criando uma crise mista de doença e de dinheiro, de sobrevivência ao mal instalado e de saída para o mal econômico, às vezes também mortal.

Como enfrentar o lado econômico, em alguns aspectos desprezando o lado saúde que, no caso em questão pede isolamento social, fechamento de peças que produzem o PIB de um país e que, pasmem, pode até parar de produzir materiais e serviços essenciais para a cura da pandemia que assola o mundo?

Um xadrez social está instalado com opiniões as mais diversas que vão desde aquelas que são desejadas por um grupo economicamente ativo e por outra que precisa pensar na cura das pessoas de maneira prática e objetiva.

O que definitivamente não pode acontecer é a falta de diálogo, de propostas, de soluções não impostas por lados que no fim das contas talvez estejam do mesmo lado, mas que se não tiverem o equilíbrio necessário aos bons jogadores de xadrez, sem dúvida alguma estarão se aproximando do impossível que será o xeque-mate duplo e sem volta. E aí fica a resposta que cada brasileiro deve dar conscientemente: Parar o que se pode ou não parar nada? Eis a questão!

 DESTACÔMETRO

DANÚBIO LACERDA

O destaque vai para o meu amigo, Danúbio Lacerda, misto de músico – que sax! – e “expert” em energia, um dos melhores conhecedores do assunto em nosso estado. O Bartpapo anda com saudades dele. E o telespectador também.

PÍLULAS DO OUVIDOR

O Ministério da Saúde destinou R$ 140 milhões para a construção do Centro Hospitalar Fiocruz para a Pandemia da Covid-19 que será implantado no Rio de Janeiro (RJ). A Fiocruz é referência em pesquisas sanitárias.

Diante da necessidade de manter os estoques e a rede abastecida de sangue, o Ministério da Saúde orienta à população que as doações de sangue devem continuar neste momento em que o país registra casos e óbitos de coronavírus.

Seguindo recomendações de evitar contato social o Ministério da Saúde passa a atualizar as informações por meio online. Neste momento, apenas os cinegrafistas e fotógrafos poderão participar presencialmente das transmissões.

O Ministério da Saúde publicou o Guia para o Manejo de Corpos no Contexto do Novo Coronavírus – COVID-19. O protocolo traz as recomendações de como devem ser realizados os funerais e o manuseio do cadáver nos hospitais. Triste!

Não fazer comparações entre a atual pandemia e a famosa Gripe Espanhola, que aliás nasceu nos Estados Unidos e não na Espanha em 1938. São diferentes e a espanhola matou muita gente em todo o mundo.  

Os micro-empresários, os informais de um modo geral podem ajudar a superar essa crise criando coisas que possam ser produzidas em casa e possam ser vendidas pela internet aumentando este mercado e ajudando na economia do país.

Quando se vê uma revolução de métodos e sistemas como essa, em função da COVID-19 verificamos como os valores vão mudando, como as pessoas vão se mostrando mais solidárias. Até porque, ninguém está livre da doença.

Não tiro por mim nem pela minha família porque sempre fomos muito unidos e dando valor ao colegiado, ao amor em primeiro lugar. Mas que essa crise de medo está ajudando no resgate dos velhos valores, não tenho dúvida.

Gente, meu What’sApp não para de crescer. É muita mensagem durante o dia inteiro. Tenho a impressão de que num dado momento vai haver congestionamento no popular meio de comunicação.

ALFREDO GASPAR  

Na foto de 2016, Alfredo Gaspar, procurador de justiça, nem sonhava em se tornar um dos mais fortes pré-candidatos a Prefeito de Maceió. Se houver eleição (ameaçada pelo coronavírus) Alfredo tem grandes chances.

ABRAÇOS IMPRESSOS

SILVIO CAMELO

                 Vereador por vários mandatos, depois eleito deputado e em seu primeiro mandato na Assembléia Legislativa vem mostrando raça, decência e categoria naquilo que faz e acredita. Nossos abraços, Silvio Camelo.

coluna BARTPAPO 27-03-2020

Coluna BARTPAPO com Geraldo Câmara – Tribuna Independente – 26-03-2020

                                          UM PAÍS SEM LIDERANÇA

                  É exatamente assim que somos. Ou que estamos. Um pais sem liderança e perdido ao meio de uma crise mundial sem que haja aquela força real, verdadeira e competente para guiar o nosso Brasil.

O nosso presidente que deveria ser essa liderança é a pessoa que mais insegurança dá ao país com suas idas e vindas de decisões ou de indecisões, com suas teorias alucinadas que deixa-nos a todos boquiabertos a perguntar “que mal fizemos para termos o que temos”.

A tomada de posição deste jornalista sempre foi a de torcer pelo futuro do Brasil, para que cheguemos a um bom lugar e para isto precisávamos torcer para que o novo presidente desse certo. Mas como torcer por um cidadão que comete tanta leviandade, que fala em cadeia nacional em caminho completamente contrário ao da razão, ao de todos os outros países?

As principais figuras da nação estão reagindo porque não há como não reagir a um presidente que, ao invés de tomar as rédeas de uma crise sanitária de vulto mundial fica a dizer na televisão que é melhor assumir o campo econômico porque as pessoas vão morrer mesmo e o país vai se acabar.

Não acaba não, presidente! Vamos cuidar da saúde deste povo porque no campo econômico ele vai saber dar a volta por cima. Nos revezes de desemprego, de inflação e de outras coisas mais as soluções sempre existirão e acho até que o seu Paulo Guedes conhece do assunto. Mas do “coronavírus” quem entende são os médicos, os cientistas, as equipes bem asseguradas com hospitais de todo o gênero, incluindo os de campanha porque aí sim, estamos em guerra.

O Brasil, presidente, está de “saco cheio” – desculpe o termo – de suas gracinhas televisivas, de seus maus exemplos cumprimentando pessoas nas ruas, apertando mãos e fazendo “selfies” enquanto o nosso atual inimigo, o vírus assassino espalha seu terror pelo mundo afora.

E tudo isto, porque o Brasil, infelizmente passa pela sua maior crise de liderança. Se o senhor, presidente, não sabe exercê-la, por favor, dê lugar a quem possivelmente saiba. Possivelmente!

ALERTAS DO DIA

* Que bela idéia, talvez a partir de hoje, a vacinação dos idosos ser feita dentro do carro sem perigo de se misturarem as pessoas. No Maceió Shopping das 08 às 16 horas. Beleza! Estarei lá.

* A prefeitura de Maceió prorrogou prazos de pagamento para o IPTU em função da crise instalada também em nossa cidade. Se cada um ajudar com sua parte sairemos das duas crises.

PARE PRA PENSAR

Entre a coragem e a covardia existe uma indecisão, às vezes corajosa, às vezes covarde. 

Ouvidor Geral 23-03-2020

O QUE É AGLOMERAÇÃO?

Existem várias interpretações, dependendo da ótica que se aplique a grupos que se reúnem deliberada ou indeliberadamente. Um grupo de cinco pessoas espremidas num elevador constitue-se em uma aglomeração, até porque as pessoas respiram umas para outras, se tocam e estão sujeitas aos riscos da mesma maneira que uma aglomeração de 100 pessoas em um cinema, um teatro ou até mesmo ao ar livre, dependendo da situação em que se encontrem. O fato é que as análises são muito diversas e discutíveis. Vejamos por exemplo o caso de um casal de idosos, sós, dentro de casa. Recebem um “delivery” e um dos dois adquire a doença. Automaticamente o outro irá adquirir também. Claro! E, por incrível que pareça, duas pessoas isoladas passaram a constituir uma aglomeração. Que precisamos tomar todos os cuidados indispensáveis para que possamos não ter esse vírus terrível, não tenho a menor dúvida. Mas que também precisamos socialmente definir até que ponto e como podemos nos comportar, também não tenho dúvida. Só não podemos mudar tudo em nossas vidas sem que possamos buscar soluções práticas para o seu andamento. O mundo gira, o vírus também, mas nós, povos de todo o globo  não podemos ficar parados e isolados apenas. Precisamos agir antes que realmente o mundo inteiro pare e não sobreviva à estagnação.

DESTACÔMETRO

OMAR COELHO

Por onde andas tu, Omar Coelho, do qual só tenho notícias por conta do CSA? Segundo Exupery, “és responsável pelo que cativas”. Traga mais ao público tuas sabedoria e contribuição tão importantes.

PÍLULAS DO OUVIDOR

E por falar em o mundo não parar, a própria China onde tudo começou já entra em uma nova fase de recuperação. Desmontando hospitais de campanha, reaparelhando a população e reiniciando a sua tão falada produtividade.

O governo do estado baixou Ato em absoluta consonância com a prefeitura de Maceió fechando praticamente na capital e no estado haja vista a necessidade de se preservar a vida humana deste terrível mal que assola o mundo.

Não há o que reclamar por este ato de coragem, já que menos impostos vão ser arrecadados, o PIB vai diminuir, as pessoas físicas e jurídicas vão ser abaladas nos seus lucros, mas a vida humana estará sendo melhor preservada.   

No que diz respeito ao resto do estado, o governador Renan Filho ordenou absoluto controle das entradas de veículos de todos os tipos em território alagoano. Muito certo, governador! Só gostaria de saber que efetivo será usado nas estradas.

A pergunta cabe porque em muitas viagens que faço passando por diversas divisas não consigo avistar fiscalização, nem do governo federal através da PRF nem do estadual. Assunto aliás que, independente da atual situação tenho abordado muito.

O ministro da saúde tem assustado muito as pessoas afirmando que estamos só no começo, que o colapso vai acontecer no final de abril e que tudo se estenderá drasticamente até o mês de setembro. Assustador.

Não sei, sinceramente, se a atitude do ministro é de bom alvitre ou não. Devemos ser avisados de tudo e ensinados a ter precaução, mas será que é correto instalar – ou não – a síndrome do pânico entre a população? Fica a pergunta no ar.

O nosso Bartpapo que vai ao ar todos os sábados às nove horas da manhã pela BAND é sempre gravado em um restaurante, a Bodega do Sertão. A partir de hoje esta fechaa e ainda não sabemos que fórmula vamos usar para continuarmos.

Mas tenham a certeza de que poremos a criatividade para funcionar em nossos ativos neurônios para que os telespectadores não deixem de nos acompanhar com os assuntos sempre de interesse de todos.

PAULO 2 BEZERRA

Paulo Bezerra (foto) o homem que controla a vigilância sanitária em nosso estado está à disposição de todos para orientar os tipos de higiene que precisamos fazer para nos mantermos longe do coronavírus. Deu show no Bartpapo.

ABRAÇOS IMPRESSOS

ROSTAND E DAGOBERTO

Rostand Lanverly, o presidente da Academia Alagoana de Letras e Dagoberto Omena, o presidente da Gráfica Graciliano Ramos vão promover uma bela Feira de Autores Alagoanos nos anos em que não acontece a Bienal do Livro. Boa idéia.

Ouvidor Geral 16-03-2020

VISITANTE INDESEJÁVEL.

Chegou de surpresa em Brasília e em especial no Palácio do Planalto o já famoso Coronavírus. E pegou um assessor do presidente que, em vários momentos esteve bem pertinho do chefe. O fato, ficha caindo, fez com que o presidente desse uma entrevista portando máscara ao lado de alguns dos seus auxiliares. E que alertasse mais a população sobre o vírus prometendo uma ação cada vez mais positiva no sentido de combatê-lo com todas as forças. Não vou nem dizer que o combate vem agora face a   possibilidade de contaminação do presidente porque estamos vendo que as ações estão acontecendo no dia a dia. Mas, na verdade, quando algo assim acontece no palácio do poder é claro que as medidas vão ser intensificadas. Continuo dizendo que não podemos nos deixar abalar e sermos tomados pelo pânico, mas também acho que não se pode dar de comer ao diabo. Que tudo seja realmente providenciado, que a burocracia não impeça atos emergenciais e que, em primeiro lugar esteja a vida da população com o máximo de preservação de sua saúde. Quanto ao presidente com o visitante indesejável só me pergunto: Se houver real contaminação presidencial onde a comitiva irá fazer a quarentena? Onde? Ah…mas em tempo…os exames do presidente deram negativos.

DESTACÔMETRO

ROSA 2 TENÓRIO

O nosso destaque vai para a decisão da engenheira Rosa Tenório em se candidatar à presidência do CREA em Alagoas. Será a primeira mulher, se eleita, a ocupar o importante cargo. Atualmente é Secretária de Desenvolvimento Territorial e Maio Ambiente de Maceió.

PÍLULAS DO OUVIDOR

Para reforçar o atendimento à população durante a pandemia do coronavírus, o Ministério da Saúde lançou um edital com 5.811 vagas para médicos com CRM Brasil atuarem nos postos de saúde.

Por meio do programa Mais Médicos, de forma emergencial, os profissionais serão distribuídos em 1.864 municípios de todo o país, além de 19 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI).

A Casa de Direitos de Maceió, situada no Mirante do Jacintinho, recebe, nesta segunda-feira (16), mais uma edição do Casamento Coletivo e da Justiça Itinerante. A ação é realizada pelo TJ/AL em parceria com a Seprev. 15h.

Desmistificar o processo de internacionalização de produtos e serviços e mostrar como a FIEA pode apoiar as empresas nesse caminho foram os principais objetivos do Café CINtegra promovido pela Área Internacional da FIEA.

A TV Cidadã apesar de muitos não terem acreditado é um sucesso de audiência no ar e maior sucesso ainda com o estabelecimento do “streaming” levando sua imagem pelo mundo através da internet.

Para que se tenha a idéia da força deste sistema, o número de visualizações em cerca de 4 meses já beira a casa dos seis milhões o que, para uma emissora oficial é simplesmente fantástico.

Por outro lado o projeto que levamos a efeito com todos os tribunais de contas do país criando o Jornal ATRICON deu um peso fantástico mostrando a coesão e a disseminação das idéias e do trabalho daquelas instituições.

Agora, a segunda parte da programação visando o coletivo irá acontecer em abril com a estréia do programa “Por dentro dos Tribunais de Contas”. Como o nome diz, a equipe da TV Cidadã se fará presente mostrando tudo de todos.   

Em função de tudo isto. reunióes no Tribunal de Contas da Paraíba. Lá estive em nome do nosso TCE-AL para dinamizar ainda mais o trabalho de inserção da TV Cidadã em todos os Tribunais do Brasil.

TCEPB

A convite do presidente da ATRICON, Fábio Nogueira nos reunimos também com o presidente da casa, Conselheiro Arnóbio Viana, Conselheiro Fernando Catão e o jornalista Marco Antonio Sabino. (foto)..

ABRAÇOS IMPRESSOS

MESSINA 3

Meus abraços impressos a Messina Palmeira, (à esquerda da foto) a presidente da ABRAJET-PB que me recebeu, juntamente com o ex-presidente Rogério Almeida para trocarmos idéias sobre nossas instituições. O encontro foi no exuberante Canyon Coqueirinho dirigido por Ana Luiza também na foto.

 

coluna BARTPAPO 13-03-2020

Tribuna Independente 

PANDEMIA PSICOLÓGICA E PERIGOSA

                      Sem dúvida, o mundo está vivendo sim, uma pandemia. A tradução é o nome que se dá a uma epidemia quando ultrapassa as fronteiras do seu país de origem e se espalha por outros países ou regiões. Até aí é entendível e muitas providências precisam e estão sendo tomadas para controlá-la.

O que nos leva, no entanto a este escrito é o outro tipo de pandemia que paralelamente se instala junto e com a original. A pandemia do pânico, a pandemia psicológica e de mudanças de hábitos sociais além da pandemia econômica que, verdadeira ou não, espalha-se como rastro de pólvora, contamina da pequena à macro-economia e provoca instabilidade de diversas modalidades no equilíbrio econômico mundial. É este equilíbrio que permite com que economias de países os mais diversos, dos maiores aos menores controlem suas performances e se mantenham na balança comercial mundial com a dignidade que lhe permite.

Com o excesso de informações negativas e no caso a pandemia verdadeira, os mercados perdem o fiel da balança e desajeitam todo o mundo refletindo-se na atividade das bolsas de valores, na flutuação do câmbio que, principalmente com o dólar mostra reações que beneficiam, no caso do Brasil, as exportações e desequilibram as participações dos investidores internacionais.

Nem sou “expert” nem pretendo dar aulas de economia por aqui, mas posso com certeza deixar claro que o “psiqué” das pessoas acaba por influenciar  decisões que vão das pessoais até às corporativas diminuindo obviamente as ações do PIB e com isso colocando países inteiros em disponibilidade para “craks” indesejáveis.

E aí perguntam os leitores: Tudo isso por causa de um vírus? Claro! Um vírus que cria o medo, o pânico,  o impedimento ao trabalho; diminui a produtividade, concede espaço à recessão.

Agora imaginem que o Brasil com cerca de cinquenta casos já começa a viver todos esses problemas. E o que diremos da China, hoje a maior fornecedora de materiais, principalmente os eletrônicos, do mundo? O que diremos dos países que têm o turismo como mola propulsora e são obrigados a fechar fronteiras, fechar o próprio país, como está sendo o caso da Itália?

Infelizmente a pandemia existe e está aí. Precisamos encará-la, não ignorá-la, mas enfrentá-la, sim. Com coragem, com determinação, deixando de lado os problemas que sejam puramente psicológicos e encarando com realidade os que sejam visíveis e vulneráveis. Caso contrário, não teremos  nenhuma perspectiva no que pode se transformar o mundo, pandêmico de vírus e pandêmico de pânico.

ALERTAS DO DIA

Só um alerta mesmo: o ministro da Saúde informou sobre a negociação com o Legislativo para liberação de até R$ 5 bilhões para ações de enfrentamento ao coronavírus.

PARE PRA PENSAR

O amor oscila a cada minuto e como relógio antigo precisa sempre dar corda.