Coluna BARTPAPO (Tribuna Independente) 24-01-2020

NEM SEMPRE O POVO DEVE PAGAR
Aumento de passagens, uma novela que todo o ano se repete e que deve afligir tanto a população quanto o dono da caneta que se vê acossado para conceder o aumento. No momento a discussão é grande e o prefeito colocou pé firme dizendo que não concede, uma vez que as empresas estão em débito com a sociedade por não terem feito o dever de casa apresentando transportes à altura. Certo ele.
Vejam, por exemplo, o caso da Veleiro, uma lastimável empresa de ônibus, absolutamente irresponsável e que apresenta o que há de pior em manutenção provocando acidentes dos mais tolos aos mais graves, com assentos estragados e soltos, pisos enferrujados e outras coisas mais, tudo detectado pelas vistorias feitas pelas instituição responsável. No entanto o TCE-AL através de seu conselheiro Rodrigo Cavalcante detectou que a prefeitura não repassava o subsídio previsto por lei, o que impedia a empresa de fazer frente à manutenção.
Em vários outros casos também, o prefeito deveria colocar o dedo até no seu próprio nariz quando existem ruas enlameadas, repletas de buracos, com água jorrando sem possibilidade de saneamento e, portanto não prestando o serviço que devia. E, quando digo no próprio nariz é porque deveria haver um sistema compensatório, talvez através do IPTU, uma espécie de multa ao avesso em que a prefeitura fosse a multada e não o contribuinte. Se um carro quebra porque cai em um bueiro, de quem é a culpa? Do motorista? Ou do descaso com que o povo é tratado?
Os leitores podem estar dizendo que soluções existem através de meios judiciais e que são cabíveis para fazer frente aos prejuízos, no entanto essa mesma justiça é lenta e cara. O que eu acho é que automaticamente deveria haver um sistema de reciprocidade. Se o cidadão é penalizado por ter cometido uma infração, porque não se pode encontrar um sistema de “mea culpa” que penalize também os responsáveis pelas dores de cabeça de toda uma população? Automaticamente, insisto. Porque nossas multas são automaticamente registradas e sempre chegam aos nossos domicílios e aos nossos bolsos.
É possível que com um sistema desses, utópico por enquanto, os gestores tenham mais responsabilidade para conduzirem os destinos de cidades e estados visando a boa convivência com o povo que os elege.

ALERTAS DO DIA

• Vamos fazer justiça com o que se pode e se deve. A atitude do governo federal em criar o Conselho da Amazônia e por conseqüência a Força Ambiental é acertada e absolutamente providencial no momento em que o mundo discute os problemas da própria Amazônia.
• O caso da cervejaria que teve seus produtos contaminados e agora em estudos para determinação da causa tenho certeza de que não foi provocado pela empresa. Ou sabotagem ou acidente. Esperem pra ver.
• Perda de tempo e de dinheiro o processo de “impeachment” contra o presidente Trump. Quando passou na Câmara já se sabia que não passaria no Senado a não ser que houvesse uma enorme traição em massa. Portanto…

PARE PRA PENSAR

Desistir sem esforço é a pior atitude. Insistir com os pés no chão é saber chegar lá.

Ouvidor Geral 20-01-2020

CHACRINHA E EU.

No princípio da década de 60 eu já fazia televisão, no Rio de Janeiro, na área do humorismo. A TV Rio era a “Globo” da época, pelo seu carisma e pela sua audiência. E os programas de humorismo eram as “novelas” de então, prendendo os telespectadores à telinha, ainda preto & branco. Lembro-me que, às sextas feiras, eu participava à noite do grande humorístico “Noites Cariocas”, que era levado ao vivo e ensaiado no estúdio A, à tarde, pelo grande diretor Wilton Franco, já falecido. No entanto, às 17 horas, eu participava também de um programa que se chamava “No rancho de Mr. Chacrinha”, uma espécie de filme de cowboy, cheio de graça, humor e irreverência do velho Chacrinha e sua equipe. É preciso observar que os programas, na época, eram todos ao vivo. Enquanto ensaiava no estúdio A, pedi aos companheiros do programa do Chacrinha que me avisassem quando fosse entrar no ar, no Estúdio B, para que eu deixasse o ensaio de um e entrasse no outro. Não sei, até hoje, se de propósito ou não, se de molecagem do Velho Guerreiro ou não, o fato é que, de repente, olhei para o relógio e percebi que já eram 17 horas e 5 minutos. Corri para o estúdio A, olhei para o visor da grossa porta e vi que o programa já estava no ar, com todos os personagens. Só faltava eu. Bati na porta, o assistente abriu e dirigi-me ao cenário. E só então percebi que Chacrinha tinha um papel nas mãos – o roteiro – e, aos risos, o que lhe era peculiar, fazia o seu papel e lia o meu, dizendo para o telespectador: “agora fala Sheldon, o personagem de Geraldo Câmara, que só vai aparecer à noite no “Noites Cariocas”. Fiz cara de mau, puxei o revólver, enfrentei o Velho Guerreiro e disse, virando-me para a câmera: “Ah…ah… te peguei com a boca na botija! Você quer me roubar a Lindinha, não é? Mas não adiantou me prender porque livrei-me das cordas a tempo..” E com os “cacos” -cacos são textos que o ator coloca sem que estejam no roteiro original –  seguimos adiante o programa, contendo os risos. Aquilo era um retrato da televisão da época, cheia de improvisos, de graça e de heroísmo mesmo.

Obs: Esta história está no meu livro “Por causos da Vida” e a estou repetindo aqui porque não entendi o porque na vida do Chacrinha levada ao ar agora pela Globo, a TV Rio, a mais importante da época foi omitida.  Fica o protesto.

DESTACÔMETRO

ANA HORA

O destaque vai para o misto de empresária e vereadora de Maceió, Ana Hora, uma mulher super dinâmica que ao lado de seu marido Ferreira Hora vem alcançando bons índices de produtividade em todo o seu trabalho.

PÍLULAS DO OUVIDOR

A TV-Rio pertencia ao Grupo de Paulo Machado, na época donos da Record em São Paulo e da TV-Rio na cidade do Rio de Janeiro. Era uma “senhora” emissora que tinha como diretor comercial o Walter Clark, posteriormente Globo.

Os programas humorísticos dominavam e eram de primeira grandeza. Roubavam audiências tanto quanto as novelas o estão fazendo ainda. Dentre eles, O Riso é o Limite, Ô Nordeste da Peste, Noites Cariocas, Rancho do Mr. Chacrinha, etc.

Chacrinha era um astro na emissora e respeitado como tal. Muita coisa do que se vê no seriado da Globo foi omitido, como por exemplo, como nasceu o bordão “Ó Terezinha”. Não foi no rádio mas na TV Rio.

O Chacrinha chamava para os comerciais que na época eram ao vivo com garotas- propaganda. A que fazia os do seu programa era uma moça alegre e bonita de nome Terezinha e irmã da cantora Rosemary. O bordão era a dica para a técnica colocar os comerciais.

Comecei minha vida de televisão na extinta TV-Rio em 1961. Fica difícil  contestar o que estou contando. Até porque ela foi o berço de grandes astros, não só do humorismo, mas de novelas também. Ela e a também extinta TV-Tupi.

O declínio da TV-Rio começou com a chegada da TV Excelsior ao Rio e a são Paulo que carregou quase todo o elenco de artistas e de diretores no qual inclua-se o famoso Carlos Manga que dirigiu TV pela primeira vez na TV Rio.

Para quem se lembra, Manga era um fantástico diretor de cinema da época das “chanchadas” e dos grandes musicais carnavalescos tendo dirigido os maiores humoristas da época a exemplo de Oscarito e Grande Otelo.

Levá-lo para dirigir em televisão foi um trabalho muito árduo que teve a importante participação de Chico Anísio que o convenceu a fazer parte da criação do “Chico Anísio Show”, até hoje o maior humorístico da televisão brasileira.

A coluna de hoje ficou um tanto ou quanto saudosista, mas por uma questão de justiça não vejo como a omissão de uma emissora de televisão de tamanha importância em um seriado sobre a vida do também importante Chacrinha. 

CONVÊNIO CÂMARA   

O Tribunal de Contas de Alagoas estabeleceu convênio com a Câmara Municipal de Maceió para que esta última usufrua de espaços na TV Cidadã daquele TCE. Assinaram, Kelman Vieira, presidente da CMM, Otávio Lessa, presidente do TCE-AL e este colunista, Diretor de Comunicação do Tribunal.

ABRAÇOS IMPRESSOS

GALEGUINHO DO FORRÓ

Pense numa revelação de primeira ordem e conheça o trabalho deste menino de 13 anos que com sua sanfona, sua voz e sua alegria vai se tornar um dos grandes artistas deste estado. Aliás, Galeguinho do Forró já o é.

Ouvidor Geral 13-01-2020

PACIÊNCIA TAMBÉM SE ESGOTA

Às vezes fico pensando que o brasileiro é um cidadão muito paciente. Até demais. Se formos fazer uma análise de tudo o que o Brasil precisa, em termos de administração pública, sobretudo no que se refere à saúde, à educação, à segurança das cidades iremos também constatar que a este cidadão muito pouco é dado com exceção para algumas douradas de pílulas que vão sendo realizadas e colocadas goela abaixo por legisladores e executivos deste país. Os planejamentos estratégicos que possam ser eficientes em vários setores, dificilmente são realizados ou cumpridos em suas metas, principalmente pela falsa democracia ávida de voto que não deixa que sejam continuados os trabalhos começados por antecessores. E exatamente aí os projetos se perdem, as obras ficam inacabadas, as pessoas ficam revoltadas e a sociedade acaba por perder até porque é dela e dos seus impostos que saem os prejuízos dos mal feitos. A política e os políticos precisam mudar exatamente na maneira com que conduzem-se em seus cargos. O ano atual é de eleições. Para prefeitos e vereadores. Prefeitos que devem mudar seus comportamentos e mostrar uma nova conceituação em suas administrações. E vereadores que precisam ficar melhor inteirados do executivo e seus projetos, além de cumprirem seus mandatos sabendo fiscalizar em nome de seus eleitores. Eleitores que estão concordando que paciência também se esgota.

DESTACÔMETRO

DINHO LOPES

Ontem, domingo, a orla da Ponta Verde viu o primeiro ensaio para o que vão ser as prévias carnavalescas deste ano. Dinho Lopes, nosso destaque comandou o Carnaval Edécio Lopes e como presidente da Liga Carnavalesca promete muito daqui pra frente.

PÍLULAS DO OUVIDOR

O mundo está um tanto ou quanto enlouquecido com essa história do Iran e a briga com os Estados Unidos. Míssil de lá, míssil de cá e o pior de todos é o míssil da dúvida, da provocação e que pode acabar gerando guerras de todo o jeito.

O que pensa o presidente americano é muito difícil de saber já que sua personalidade controversa não nos permite uma avaliação precisa apenas por suas palavras. Por outro lado, o Iran é e sempre será uma incógnita nas suas ações.

O fato é que, conseqüências de guerra pra valer ou conseqüências econômicas para o mundo, de um modo geral, uma das duas acontecerá. O barril do petróleo, por exemplo, já subiu de preço e o resto vem atrás do combustível.

De pouco valia se não mexesse com outras circunstâncias, tais como as nossas exportações, sobretudo as de grãos e as de carnes. Aí sim, a balança comercial começa a ficar desequilibrada e nem queremos saber o que será “bom pra tosse”.

Janeiro tem sido muito bom para o trânsito em toda Maceió, já que a força do movimento de carros é acelerada com as escolas que ainda estão fechadas. Boa oportunidade para nossos engenheiros de trânsito planejarem e agirem.

Já mexendo com o incômodo das ruas, ali na praia da Ponta Verde, bem em frente a barracas de alto nível em rua transversal, existe um esgoto a céu aberto dando o que falar e o que cheirar. Cidade com turistas de nariz tapado. Tenham dó!

O mapeamento de esgotos clandestinos urge acontecer. Quanto mais se relegam os prazos, mais problemas temos com as ligações irregulares que vão prejudicando o “boom” turístico que se demorou tanto a conseguir. Acorda, gente!

Passei Natal e Ano Novo no Rio de Janeiro e sem querer puxar a brasa para a minha sardinha já que sou carioca, a criminalidade existe mas aquele perigo tão divulgado pela imprensa parece a todos que lá moram um belo exagero.

Claro que não se deve dar margem a que as coisas se precipitem, como por exemplo entrar em comunidades ditas perigosas e andar pelas ruas a pé nas madrugadas de lugares esquisitos da cidade. No mais, tudo normal. 

MARI DA COSTA 

Se há uma coisa que gosto enquanto jornalista é também dar força aos que tocam a cultura alagoana. Claro que a música tem um papel fundamental. No Bartpapo esteve a cantora Mari da Costa (foto) muito bem acompanhada por Nelsinho Neto.

ABRAÇOS IMPRESSOS

JUNIOR

Meus filhos sempre me emocionam e este aí em cima, o Junior, não foge à regra. Dia 5 fez aniversário e foi homenageado pela família, pelos amigos e pelos seus companheiros de trabalho da Oncoclínica. Parabéns, filhão!

Ouvidor Geral 06-01-2020

QUEREM BOTAR MAIS DROGA NESTA DROGA

Tenho a impressão de que este país começa a viver um período de inversão de valores dos mais perigosos. O senso de família vem se desmoronando com uma velocidade assustadora. A questão do patriotismo nem se fala e a cidadania acaba indo por água abaixo neste mar de lama que “tsunanicamente” nos ataca. Agora, para completar chega esta onda destruidora querendo defender a oficialização total da maconha, sua livre utilização e venda como se fosse a coisa mais natural do mundo impingir à sociedade um convívio com uma droga que, reconhecidamente é a mãe de todas. Em termos medicamentosos ainda vá, desde que o controle seja absolutamente rigoroso. Não dá para entender como se pensa em erradicar as drogas oficializando-as. Então, o problema é com traficantes e não com usuários que podem ser nossos filhos? Que pensamento é este que passa a proteger o errado em busca de um suposto certo? Sou contra, vou permanecer contra e enquanto puder gritar contra tudo e contra todos que pensarem nessa estupidez, o farei. Afinal, o mundo já está uma droga total por conta das próprias. E ainda querem botar mais droga nesta droga? Pensem.

DESTACÔMETRO

VANESSA

E vocês não concordam comigo de que ela, Vanessa, minha mulher, que me aguenta o ano inteiro deva ser o meu primeiro destaque no Vinte Vinte que se inicia? Então, é ela mesma o meu destacômetro de hoje. E mais do que merecido.

PÍLULAS DO OUVIDOR.

As festas de fim de ano foram marcadas pela “merda” que o senhor Trump andou fazendo e, quem sabe, provocando uma guerra que ninguém quer. Situacionistas e oposicionistas estarão brigando para ver se o Todo Poderoso tem razão ou não.

Claro que, nessa altura dos acontecimentos ninguém quer saber de guerra e a atitude do presidente dos Estados Unidos, profundamente perigosa pode levar a isto com um país conhecidamente perigoso e terrorista que é o Irã.

Tal guerra poderá trazer sérias consequências a vários países, principalmente sobre os aspectos econômicos. Vide que, nas primeiras notícias o preço do barril do petróleo já subiu o que vai ocasionar subidas de combustíveis mundo afora.

Esquecendo guerras, ainda teremos que sobreviver também a muitas eclosões internas aqui mesmo em nosso país. Não sabemos ainda que efeitos terão as internacionais em nosso Brasil, mas acho que serão sérias.

Vem aí agora a corrida pelas prefeituras e vereanças em todo o país. Mas, especificamente aqui em Maceió a briga vai ser acirrada com os diverso nomes de peso que estáo assumindo a disputa.

Senão vejamos que o que parecia tranquilo para JHC agora muda totalmente de figura com a possível entrada de Ronaldo Lessa ou de Alfredo Gaspar, nomes respeitáveis para a disputa.

E não adianta fazer comparações com eleições anteriores porque na verdade cada uma é uma e o que não deu certo na anterior pode dar agora e por aí vai. Lessa, por exemplo continua sendo um peso-pesado na disputa e pode surpreender.

Nomes novos também estão aparecendo como é o caso da economista Luciana Caetano colocada como pré-candidata do PT. Um nome e tanto no que diz respeito à competência, mas, sem cacife eleitoral.

E o mais importante é que os dois caciques, Renan Filho e Rui Palmeira ainda não colocaram suas cartas na mesa e acho que muita água vai rolar da fonte antes que os dois se coloquem com seus respectivos candidatos. Ou será o mesmo?

SELMA BRITO  

Sempre homenageada por todos quantos a conhecem, a “virtuose” do piano, nossa Selma Brito (foto) tem muito mais do que tocar piano. Intelectualidade, conhecimento da vida e uma total interação com seus amigos e amigas.

ABRAÇOS IMPRESSOS

FILHOS EM FÉRIAS

Os abraços impressos vão para as filhas que se encontram lá longe, em Orlando, onde vive Mônica e onde chegaram para muitos abraços, Alessandra, o genro Emerson e os netos João Pedro e Luiz Eduardo.  

 

 

 

2020

AAIA_wDGAAAAAQAAAAAAAAnuAAAAJGQ0NWFkMjQxLWNlYmYtNDFmMi1iN2U5LTNiODA4YjUyMDMyYw

Agora a gente começa mais um ciclo. Mais um ano. Agora não quero dizer quem é destaque porque muita gente boa o foi no ano que passou e mais um punhado delas será neste 2020 que começa.

Não quero escrever nada de novo porque a melhor frase de hoje será a que diz assim:“o velho se foi no tempo e no espaço enquanto o novo se prepara para cumprir sua missão”.

E como é que posso mandar abraços para alguns se tanta gente boa merece ser abraçada hoje e muitas mais o merecerão nas próximas 52 semanas?

Neste primeiro dia de 2020 apenas um desejo: Que todos cumpram o que prometeram na noite do 31. E que não esqueçam de suas próprias promessas.

Valeu? Então vamos em frente porque temos 365 dias de promessas a serem cumpridas.

 

O QUE EU QUERO EM 2020

 *Aproveitar cada desejo de paz e amor que recebi no final de 2019.

*Retribuir em dobro tudo que me foi enviado.

*Ver os índices de criminalidade diminuídos sensivelmente.

*Não mais ouvir falar em estupro e violência contra a criança e contra a mulher.

*Não ver e nem saber de novas enchentes

*Que os moradores de rua vivam e consigam tetos

*Que os empregos apareçam e as pessoas tenham dignidade.

*Que os políticos encontrem o caminho para o benefício do povo.

*Que as emissoras de televisão parem de mostrar tanta desgraça.

*Que a educação comece a trilhar o caminho da restauração.

*Que a saúde do povo seja bem mais respeitada do que tem sido.

*Que as rixas políticas não dividam o povo.

*Que as verbas para pesquisas aumentem consideravelmente.

*Que o mundo se entenda e diminuam as guerras.

*Que a fome seja dizimada.

*Que os filhos, netos, bisnetos espalhem o que aprenderam com os mais velhos.

*E que eles, minha mulher, meus filhos, noras e genros, netos e bisnetos continuem a ser um dos principais baluartes de minha vida.

ALERTAS DO DIA

Durante este ano, como em todos os outros enfrentaremos dias e noites boas, algumas tempestades externas e internas, amores e dissabores, vitórias e derrotas, porque a vida sempre será assim, mas com a ajuda de Deus e com o nosso próprio esforço sem dúvida veremos o tempo passar e riremos dele como em todos os anos.

PARE PRA PENSAR

A fé é como um aditivo no combustível. Nos dá a potência que precisamos para viver melhor.  

Ouvidor Geral 30-12-2019

QUEIMANDO NOMES

A pressa, às vezes, pode prejudicar profundamente um projeto político, se o tempo, o “timing”, não for respeitado neste tumultuado mundo da política. Por outro lado, o tiro no escuro, o lançamento de pseudo candidaturas tem o propósito, na maioria das vezes, de queimar um ou outro nome, já que o desgaste começa quando é ventilado publicamente. Por incrível que possa parecer a faca tem dois gumes: uma provocada pelo próprio candidato a candidato que gosta de ver seu nome estampado sem saber que, com isso, pode estar dando munição aos adversários. Existem exceções, é claro, quando é preciso trabalhar este nome com antecedência para a construção ou revelação de sua imagem que, por força de seu trabalho, não teve o destaque necessário. Por outro lado, o outro gume da faca é, exatamente, o que é provocado pelos outros candidatos com a finalidade precípua de provocar situações que o afastem da pretensão. De qualquer maneira, a fogueira já começou, ainda que estejamos a nove meses das eleições municipais. Imagine também que a mais de três anos das eleições para governador, nomes já ardem nas chamas e, com a fumaça, se esvaem pelo ar. Quem tem consistência real, vamos ver depois.

DESTACÔMETRO

FERANDO TOLEDO

O destaque vai para o Conselheiro do Tribunal de Contas, Fernando Toledo que tem se esmerado para exercer as suas funções da melhor maneira que lhe cabe com inteligência e discernimento para a função.

PÍLULAS DO OUVIDOR

Estou no Rio de Janeiro onde vim passar o Natal e Ano Novo na casa de minha filha, Valéria e Cláudio, meu genro. Revendo família, outro filho, Ricardo e hospedado na casa desta filha que é um paraíso numa ilha da Barra da Tijuca.

Quando falo paraíso não exagero. A casa é numa ilha e faz limite com o Itanhangá Golfe Clube. Da varanda assistimos lances de golfe e jogos de pólo e temos uma vista incomparável com todos os matizes de verde.

Daí sempre surgem conversas sobre a violência no Rio e acabamos por concordar que ela é mais fruto de exageros da mídia e que o carioca continua vivendo com a “bonne vivance” que lhe é peculiar. Claro que existem pontos onde não se arrisca.

No entanto, o desmando governamental, tem unanimidade  e ninguém consegue entender a pasmaceira do prefeito Crivella que pratica a idiotice em cada ato seu. Com isso, o Rio de Janeiro vem perdendo muito de sua credibilidade.

Fomos conhecer um Shopping, o Nova América, construído no subúrbio em Del Castillo e no caminho fomos pela famosa Linha Amarela. Uma calma total com o trânsito normal e o pedágio funcionando sem as derrubadas do prefeito.

Grandes planos para a passagem do ano, em família ou com a família em algum ponto especial. O Rio vibra com a data e além dos famosos fogos em Copacabana os festejos se estendem por todos os lados alegrando gregos e troianos.

O Ministério da Saúde destinou R$ 2,8 milhões para 47 municípios de Alagoas informatizarem os serviços de saúde da Atenção Primária. Alagoas é piloto do programa Conecte SUS que prevê integrar as informações de saúde do cidadão em uma grande rede de dados.

A Polícia Rodoviária Federal em Alagoas registrou queda em todos os números relativos a violência no trânsito durante a Operação Natal 2019. Redução de 83% no número de acidentes graves e não aconteceram mortes durante esse período.

A televisão brasileira está lotada de sabores os mais diversos já que os programas gastronômicos tomaram conta das telinhas em quase todos os canais. Só que ficamos com água na boca e nem o cheirinho das comidas conseguimos sentir.

OTÁVIO 3 LESSA

A foto acima registra o momento em que de maneira descontraída o presidente do Tribunal de Contas de Alagoas, Conselheiro Otávio Lessa gravava para a TV Cidadã a sua mensagem de um Ano Novo profícuo a todos os jurisdicionados.

ABRAÇOS IMPRESSOS

FAMÍLIA 2

Os abraços impressos vão para um pedacinho gostoso da família no Rio de Janeiro. vendo-se ladeando a mim e a Vanessa, o filho Ricardo, a filha Valéria e o genro Cláudio. Momentos de felicidade neste Natal.

Ouvidor Geral 23-12-2019

BILHÕES EM DÓLARES E REAIS NO LIXO

Um lixo que fez a fortuna de muita gente que é o próprio lixo. Um lixo que deixou de acudir a muitos que poderiam ter saído de outro lixo, o da humildade, o da carência, o da pobreza para não dizer miséria. Os milhões em dólares e em reais que escoaram-se dos cofres públicos pelas mãos e pelos planos inescrupulosos dos Ali Babás do regime poderiam ter salvo vidas, poderiam ter tirado homens e mulheres da ruas, poderiam ter sido aplicados na educação de nossos meninos, poderiam ter colaborado para a construção de um Brasil melhor, mas não! Foram jogados em mãos erradas que se locupletaram do que não lhes pertencia e ajudaram este país a se afogar também na incompetência dos ladrões que nem souberam administrá-lo. Sempre fácil ver-se o que está acontecendo com eles, muito pouco aliás, quando na verdade o que não deve ser fácil é a avaliação do que não foi feito. Contabilizar os bilhões é matéria exata, mas contabilizar os prejuízos sociais é humanística e da mesma maneira que vimos os nazistas serem condenados pela eliminação de incontáveis vidas também precisamos avaliar quantas vidas foram relegadas a um segundo plano pela desonestidade, pela ineficácia, pela indecência e pela desumanidade dos traidores da pátria e de seus semelhantes. Vamos dormir hoje com esse pensamento e vamos buscar pessoas de bem que nos ajudem a todos a renovar princípios e convenções para que esse país consiga ressurgir das cinzas colocando nelas os nefastos ladrões dos bilhões de dólares e reais do povo brasileiro. Que absolutamente não é e não será lixo.

DESTACÔMETRO

CAIO)

             O destaque vai para essa pessoa completamente especial para todos os seus amigos e para quantos o conheçam. Caio Porto, o homem que introduziu o turismo oficial em Alagoas e que sempre deve ser reconhecido como tal.

PÍLULAS DO OUVIDOR

Escrevi esta coluna num paraíso no Rio de Janeiro. Alguma coisa parecida com um oásis no meio daquela cidade que é a casa de minha filha Valéria e seu marido Cláudio. Numa ilha na Barra e a casa limitando com o Itanhangá Golf Clube.

A propósito de Rio de Janeiro hoje é uma unanimidade a raiva que o povo carioca tomou do seu prefeito, Marcelo Crivella. O cara não sabe o que diz e muito menos o que faz. E até já pediu a falência do Rio. É pra lascar!

O senador Rodrigo Cunha participou do lançamento da moeda social Livre e do Banco Comunitário de Desenvolvimento de Limoeiro de Anadia, que fazem parte do programa Renda Melhor. O senador festejou a iniciativa,

Oito em cada dez atendimento por acidente de transporte no SUS são entre motociclistas. Com proposta de integrar, proteger vidas e reduzir o número de acidentes nas estradas o Governo federal lança Operação Rodovida 2019.

Dados mostram que os homens representaram 67,1% dos atendimentos nas unidades de saúde e as mulheres 50,1%.  E vamos e venhamos que eles representam um perigo no trânsito, seja nas rodovias seja nas cidades.

Mentira de quem inventou que “a carne fraca” porque os preços dispararam e a tornaram como um dos alimentos mais difíceis para a classe média e para a pobre. Dizem que os problemas são externos e a gente até acredita que é só isso.

Pelo jeito a coisa vai pegar fogo em 2020 com a eleição para prefeito de Maceió. As pessoas ainda não estão se entendendo, todo mundo quer ser candidato e até agora ninguém se define. Vai chover pedra pra todo o lado.

E na verdade estou ansioso para ver que vai apresentar programa de fato. Porque ir para os palanques dizendo que vão cuidar da educação, da saúde e da segurança sem dizer como e sem planejamento, já encheu os ouvidos de todos.

Acabou o ano, o outro está chegando e já começa com farra. O carnaval vem aí, o povo vai para as ruas, as porcarias que são feitas pelos governos são esquecidas e na quarta-feira começa tudo de novo “como dantes no quartel de Abrantes”.

Verde que te quero verde! Como são belos os campos! E ninguém dá bola pra isso e vai deixando que o cimento tome conta do verde, do respiradouro das cidades. Essa questão do meio ambiente não é para o futuro. Esta aí.

ROSTAND E ARNALDO PAIVA.jpg

Duas figuras fantásticas e que estiveram no Almoçando com a Notícia do último sábado. Rostand Lanverly, o presidente da AAL e Arnaldo Paiva (foto), escritor de primeira ordem.

ABRAÇOS IMPRESSOS

RONALDO

E os abraços impressos vão para o meu amigo, o ex-governador Ronaldo Lessa e que esteve me prestigiando no lançamento do meu livro Pare Pra Pensar. Ronaldo está no meio das discussões para as eleições de prefeito de Maceió.