Ir para conteúdo

Coluna BARTPAPO

O “DAY AFTER”

Parece que o Brasil inteiro estava esperando pelo dia seguinte ao 7 de setembro como se uma catástrofe fosse acontecer. As Redes Sociais trataram de espalhar o terror deixando que a população imaginasse que haveriam confrontos físicos nas ruas brasileiras colocando opiniões como se armas fossem e fazendo com que a divisão levasse à uma batalha sem tréguas. Graças a Deus isto não aconteceu.

No entanto, isso me parece anteceder o pior; ao contrário do que possa parecer o pais está na verdade sem voz porque a mistura de vozes não cria lideranças mas confusão institucional e popular fazendo com que os caminhos da democracia sejam absolutamente deturpados por ações que criam fantasias ou que em cima de realidades provocam o “psiqué” das pessoas e criam um ambiente de guerra onde pode haver a paz.

A discussão que está havendo, por exemplo, sobre os aspectos constitucionais que envolvem os atos do executivo, do legislativo ou do judiciário fazendo uma mistura generalizada de poder, quando a constituição é bem clara ao afirmar que os poderes são independentes porém harmônicos. É exatamente aí que começa a grande confusão ou a pequena guerra. Quando os líderes de cada poder não são capazes de exercer na real o seu direito de liderança dando um basta constitucional numa discussão que não tem motivo para estar acontecendo. Quando o presidente afronta o Judiciário e diz que não receberá ordens do mesmo e que não obedecerá a esse ou aquele direcionamento, está deixando o seu direito de independência de lado mostrar a desarmonização com o outro. E aí, quando é enfrentado se desmoraliza porque esbarra exatamente no que diz a constituição.

Por outro lado, o Judiciário tem também suas fronteiras em relação aos outros dois poderes e deve permanecer nos seus limites. E os seus limites devem ser situados em tomar decisões, extremas ou não, para evitar que qualquer pessoa, instituição ou entidade pule a cerca da constitucionalidade. E só. O bate-boca faz com que aquele poder desça do seu pedestal e entre na vala comum das discussões. 

O legislativo tem também o seu papel profundamente democrático e deve exercê-lo dentro dos seus limites, mas com a autoridade de quem representa o povo brasileiro. Daí não permitir a politização de certos assuntos ou a proscratinação de outros, como é o caso de o presidente da Câmara não dar atenção a mais de uma centena de pedidos de “impeachment” deixando-os engavetados ao seu “bel prazer”. 

Enfim, o que nos parece é que a falta de liderança positiva em todos os poderes é um fato. É preciso que se dê um primeiro passo para que a “guerra” pare e para que, civilizada e democraticamente possamos agradecer a pacificidade do “day after” e entrentar as eleições do próximo ano. Como manda o figurino.   

PARE PRA PENSAR (do meu livro com o mesmo título)

Se pudéssemos ler pensamentos descobriríamos muitas personalidades opostas ao que parecem.

“FOTONOTAS”

Pense num empresário amigo ou num amigo empresário e que eu gosto daqui pra lá e de lá pra cá. Sujeito de respeito, comerciante de fato e de direito que honra seus compromissos e faz parte do desenvolvimento deste estado. Luiz Jardim, com os meus cumprimentos.
Agora, vocês querem se deliciar com o que há de melhor na criação musical das Alagoas? Sente com Eliezer Setton, deixe o papo rolar, o violão afinar e tome criatividade e cultura pra valer! Grande Eliezer! 

ALERTAS DA SEMANA

*  Atenção! O trabalho de vacinação fora de Maceió é também fantástico com muita gente trabalhando e fazendo com que aqueles outros municípios fiquem integrados no programa. No entanto, existem falhas e já vimos pessoas que fizeram a primeira vacina e quando foram tomar a segunda dose verificaram que a primeira não havia sido registrada no Controle Geral. É bom verificar, porque corrigir dá um trabalhão.  

* Lemos uma notícia que falava sobre uma pessoa que havia se afogado em um açude. Saiu nadando querendo atravessá-lo e não conseguiu voltar, preso que ficara em galhos submersos. Isso é um problema sério e que serve de alerta para essas pessoas que acabam trocando uma diversão pela morte. Tudo o que não se vê é perigoso. Um açude é cheio de armadilhas. 

* A questão doença é realmente incrível porque quando menos esperamos estamos com algum tipo de mazela que realmente não esperávamos. Por isso, e não por exploração é que os médicos pedem sempre as visitas de rotina e os exames que compõem o “chek up”. Muita gente deixa pra lá e acha que não tem nada. Como o bom é prevenir para não ter que remediar siga o conselho e vá em frente com a vida.  

* Prestem atenção e fiquem realmente alertas com essa questão da energia elétrica e com o aumento que já está acontecendo a partir da conta de setembro. Para quem ainda não percebeu que a coisa é séria não espere para levar o susto em reais. Economize e muito porque o susto realmente virá. No entanto, a economia em casa será a única maneira de resolver o problema.  

POR AÍ AFORA

#  Certas coisas precisam acontecer para que as pessoas entendam que isso aqui não é uma republiqueta da América Latina. A atitude da Anvisa que, junto com a Polícia Federal acabou com o jogo entre Brasil e Argentina pelas eliminatórias da Copa do Mundo, por desobediência sanitária foi absolutamente correta. E que sirva de exemplo para outros.

#  Gianni Infantino, presidente da FIFA, condenou o escândalo no Brasil e deixou uma frase que preocupa a Argentina: “É uma loucura, mas  necesitamos aceitar essas regras da COVID. As selecões têm que respeitar as normas sanitarias quando os jogadores vão jogar”, dito isto na Assembléia Geral da Associação Europeia de Clubes.

# Benefícios de desemprego expiram para milhões, sem resistência de Biden, O presidente americano encorajou alguns estados a continuar ajudando os desempregados de longa duração, mas as autoridades disseram que era hora de acabar com o aumento da ajuda federal. Que isso não sirva de exemplo para o Brasil cuja possibilidade de recuperação dos empregos é bem abaixo da dos Estados Unidos. 

# Desde a queda do World Trade Center, o aparato de segurança gerado pelo ataque de 11 de setembro à cidade mudou fundamentalmente a forma como o maior departamento de polícia do país opera, alterando sua abordagem para encontrar e frustrar ameaças de terror, mas também para solucionar casos menores. Precisamos saber mais e aplicar por aqui onde os traficantes mandam e desmandam.

#  Estou de férias no Rio de Janeiro por 10 dias e em seguida, por 7 dias na tumultuada cidade de São Paulo. Na primeira nasci e me criei. Na segunda morei, estudei mais e trabalhei. Sem dúvida, a grande formação de minha vida começou por lá. Na próxima edição estarei nesse “Por aí afora” contando coisas do que anda acontecendo nas duas metrópoles.

ATÉ A PRÓXIMA:

Amanhã, sábado, dia de Bartpapo com Geraldo Câmara na BAND, canal 38.1 das 9 às 10hs e também na NET canais 18 e 518. Após, no canal do Youtube “Programas do Geraldo Câmara”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s