Ir para conteúdo

coluna BARTPAPO

    Coluna BARTPAPO com Geraldo Câmara -Tribuna Independente-11-09-2020

SE TODOS FOSSEM IGUAIS A VOCÊ

            Mas não são. Vocês se lembram daquele velho ditado de que “dois bicudos não se beijam”? Pois é. Quando um teima de um lado se achando cheio de razão e o outro faz também com o mesmo pensamento dificilmente vão chegar a um lugar comum. A não ser que haja altruísmo, vontade de acertar, de não brigar e conseguir um acordo pacífico e civilizado. Pior ainda quando nem são dois bicudos, mas um de bico e o outro de garras afiadas. Aí é que a coisa pega porque os pensamentos não se cruzam e é preciso apelar para que o bom senso exista e que a educação supere a vontade de se esganarem.

           Todo esse princípio foi para chamar a atenção para o viver em comunidade, principalmente nos condomínios onde os desejos são heterogêneos, as visões são diferentes, os princípios também e que com o isolamento, com a quarentena, com a presença obrigatória de maneira bem avassalante, há que haver calma, controle, noção de coletivo e muita paciência de todos para que possam lidar com as diferenças exatamente quando os espíritos estão cansados, confinados e precisando de ares renovadores.

           Talvez os síndicos – coitados deles – precisem tentar algum tipo de ação preventiva ou até mesmo corretiva criando grupos virtuais, convidando psicólogos que tenham experiência na convivência grupal, criando gentilezas entre os vizinhos, troca de mimos alimentícios, por exemplo, tentar de tudo para que exista um convívio que os possam deixar preparados para eventuais embates por conta de barulho em excesso, por conta de obras, por conta de muita coisa que, para quem vive em condomínios esses sabem do que estamos falando.

            O fato é que ainda que tarde, mas antes assim do que nunca, sabemos de muitos desentendimentos, de muitos acirramentos de ânimos que podem ser evitados ou diminuídos se o conhecimento de cada qual for oportunizado. Num condomínio não existem ilhas. Existe privacidade até certo ponto, porque, queiramos ou não estamos juntos e necessitamos uns dos outros para que se possa ter uma vida melhor. Moradores e funcionários, se todos irmanados do propósito de vencer a pandemia, de vencer seus próprios desejos e repartir facilidades e dificuldades, sem dúvida evitarão incidentes indesejáveis e até criem vínculos inimagináveis.

            “Nem tudo são flores” diz o ditado popular, mas no caso em questão “Na vida seja como um girassol. Se posicione em direção à luz”.

ALERTAS DO DIA

  • Este é um alerta para os candidatos quando forem fazer seus discursos entusiasmados. Um candidato na Paraíba que já fora prefeito e referindo-se ao atual disse: “Eu, como prefeito roubei muito menos que esse aí”. Demais!
  • Quando uma vacina como a de Oxford suspende os testes e deixa em dúvida uma população mundial, estamos perdidos nas informações ou estamos em dúvida de quando vamos ter vacina?

PARE PRA PENSAR (do meu livro com o mesmo título)

Entre a coragem e a covardia existe uma indecisão, às vezes corajosa, às vezes covarde.  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s