Ir para conteúdo

PREITO ANTIGO

Sempre tive por ela um imenso carinho.

Com ela eu conversava absolutamente sozinho,

Apenas eu falava.

Ela ouvia e registrava tudo o que eu dizia

Palavra por palavra e ainda que heresia,

Somente me escutava.

As descidas e subidas do meu temperamento

Eu exorcizava nela, a qualquer momento,

Sem um pio de reclamação.

Fosse padre, e, sem dúvida, seria um confessor

Que absorvia tudo com profundo amor

E me dava a absolvição.

Por toda uma vida ela aguentou a minha extravasão.

A minha ânsia de criar, de ser uma exceção.

E resistiu sem muita dor.

Hoje. largada a um canto, simplesmente abandonada,

Minha máquina de escrever foi traída e ultrajada

Pelo meu computador.

* Poesia escrita em fevereiro de 1999

Categorias

POESIAS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s