Bartpapo 17 12 2018 Marcio Desantt

Anúncios

Bartpapo 14 12 2018 Jair Galvão

Ouvidor Geral 07-01-2019

VAMOS DIZER COISA COM COISA?

Deixemos claro de que, em artigo anterior nesta coluna disse que precisamos acreditar no novo, torcer pelo Brasil e portanto desejar que o presidente dê certo. Só assim poderemos alcançar os objetivos de todo brasileiro. Nem por isso deixarei de fazer críticas como a que tenho que comentar com o fato de que, até justificado pela ansiedade, o presidente Bolsonaro tem dito coisas publicamente que não combinam com o que pensa ou com o que pretende fazer a sua equipe. Tipo, a idade mínima para aposentadoria, irreal segundo a turma do Guedes, tipo também o aumento de IOF também desmentido e por aí vai. Apesar de ser hoje o “twitter” número 1 do país é preciso que ele, Bolsonaro, se policie ou seja policiado no afã de dar notícias que não combinem com o seu primeiro escalão. Até porque fica feio o primeiro mandatário do país ser corrigido publicamente por seus auxiliares diretos. Questão de imagem de um governo que pretende ser transparente, objetivo e preciso nas suas decisões. É aí que a coisa complica se essa precisão não for passada à sociedade. Unidade, unificação, transparência absolut, mas nem tanto. Sentem-se no Planalto, por favor e quem sabe, vamos dizer coisa com coisa!

DESTACÔMETRO

geoberto e s

O destaque da semana vai para o querido amigo, engenheiro Geoberto Espírito Santo que com a força de sua pena escreveu o livro “Espírito Cidadão”. Vale ser lido em todo o seu rico conteúdo.

PÍLULAS DO OUVIDOR

O ano de 2019 começou para mim de maneira absolutamente saudável com o convite do Conselheiro Presidente do Tribunal de Contas, Otávio Lessa para que eu retornasse ao cargo de Diretor de Comunicação daquela instituição.

Da mesma maneira que o exercemos naquele TCE em 2015 e 2016 voltamos agora com uma enorme garra e grande vontade de ajudar no sentido de que a sociedade alagoana esteja cada vez mais próxima do bem que o Tribunal pode fazer por ela.

Sem dúvida de que isso só será possível pela maneira democrática e de liberdade que Otávio Lessa proporciona aos seus colaboradores incentivando suas ações e participando ativamente de todo o processo evolutivo.

Bolsonaro começa o governo praticamente desprezando as emissoras de televisão do país quando lançou a nova marca do governo somente através das Redes Sociais enfatizando a economia de 1,4 milhões de reais por não usar as emissoras tradicionais.

Não discordamos da economia que tem e que precisa ser feita. Não discordamos de que o esquema tradicional precisa ser revisto nas aplicações de verbas governamentais, no entanto as redes abertas de televisão existem e valem muito.

Um incrível servidor há 17 anos no gabinete de governadores de Alagoas, Franklin Cardoso, foi uma das peças mais importantes da nova administração do TCE-AL. A convite de Otávio Lessa, Franklin assumiu a diretoria de gabinete. Bom!

Tudo indica que o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, seja reeleito para o cargo dadas as últimas movimentações que dão conta de que o seu partido PSDB o apóia integralmente e que maioria dos pequenos partidos também o sustenta.

Os ditos problemas do coração de João de Deus para conseguir a sua libertação já não podem mais ser alegados. Na verdade, o cara nem tem coração e muito menos cabeça. Deve ser completamente maluco e tarado sexual. Merece ser solto?

Foi muito bom para os alagoanos verem que os índices de criminalidade, sobretudo homicídios diminuíram bastante por aqui. Um grande tento para o governo que, inclusive precisa usar bem esses dados junto aos potenciais turistas.  

renan filho

O governador Renan Filho (foto) que fez uma excelente administração no seu primeiro governo começa o segundo com o projeto de conclusões e de retomadas de perspectivas visando sobretudo o ajuste fiscal e a segurança do povo alagoano.

ABRAÇOS IMPRESSOS

alberto pi e luciana

Os abraços impressos vão para um casal que Vanessa e eu admiramos e amamos muito. Luciana e Alberto Pires, ele Conselheiro Substituto do Tribunal de Contas e ela funcionária graduada do Detran.

   

A próxima vítima

Geoberto Espírito Santo
Personal Energy da GES Consultoria, Engenharia e Serviços

(Artigo publicado em 18/11/1995, encontrado na página 289 do livro ESPÍRITO CIDADÃO)
“Quando o povo começa a raciocinar, é porque já está tudo perdido” VOLTAIRE

A imprensa alagoana tem trazido ultimamente uma série de matérias
envolvendo a Companhia Energética de Alagoas (CEAL). Coincidentemente, tais
fatos sempre ocorrem nas proximidades das negociações dos Acordos Coletivos de
Trabalho, além de pequenos comentários avulsos, sem definição de responsabilidade,
geralmente colocados com intenções subliminares. Para nós, educadores e analistas
dos caminhos da energia, as informações e fofocas têm sido de fundamental
importância para o trabalho universitário e para o processo de cidadania que somos
obrigados a participar. Na condição de sermos um pouco mais curiosos sobre o
assunto que a média da sociedade como um todo, o material da imprensa tem sido
farto para a análise dos vários ângulos da questão energética e seus enlaces entre o
físico e o antropológico, entre o social e o político, entre o técnico e o sistema de
poder que a permeia. Uma das maneiras de devolvermos à sociedade o investimento
que ela fez na nossa formação é a avaliação racional da questão para que os
consumidores, razão da existência das empresas, possam concluir sobre os custos e os
serviços que lhes são prestados.
A CEAL apresenta mensalmente uma despesa maior que a receita líquida de
R$ 8 milhões. Se a folha de pessoal é 53% da receita e a energia comprada à CHESF
representa 40%, não é possível administrá-la, sem déficit, com os R$ 560 mil
restantes. Se a CEAL vale hoje R$ 160 milhões e deve R$ 208 milhões, está com o
passivo à descoberto e, contabilmente, não pertence mais aos seus atuais acionistas.
Sendo a Eletrobrás, incluindo CHESF, credores de R$ 135 milhões, considerando a
nova política do Governo Federal de não mais transferir o custo da ineficiência para
as tarifas e a orientação da união em não aumentar a sua participação acionária nas
empresas, podemos citar algumas opções para a CEAL.
A primeira, com o Governo de Alagoas honrando o débito. Essa hipótese nos
parece muito difícil pela situação do Estado, sem recursos até para pagar salários em
dia. Além do mais já fez um encontro de contas da ordem de R$ 88 milhões,
abatendo seus débitos passados com valores do ICMS outrora retidos pela CEAL. A
segunda opção seria se a Eletrobrás e a CHESF assumissem as dividas como
participação acionária. Neste caso, se o Governo privatizar a CHESF, por tabela leva
também a CEAL. A terceira opção, via empréstimo bancário, é preciso que o
banqueiro deseje ser dono de uma concessionária de eletricidade porque os balancetes
contábeis não recomendam a operação depois de 8 anos de prejuízos contínuos.
A quarta alternativa seria não pagar à CHESF, o que acarretaria bloqueio de
contas, não pagamento dos salários, greve, interrupção do faturamento e intervenção.
A quinta hipótese é a intervenção pura e simples do Poder Concedente, sob
argumento da CEAL não ter conseguido o equilíbrio econômico-financeiro
necessário para a prestação de um serviço satisfatório. Intervém, saneia e privatiza. A

sexta alternativa é o Estado de Alagoas vender parte das ações para empresários, com
o Grupo Eletrobrás assumindo a maior participação acionária. A CEAL teria ainda
maioria estatal até que a holding do setor elétrico também venda suas ações para a
iniciativa privada. A sétima hipótese é a privatização direta pelo Governo de Alagoas,
vendendo suas ações. Ao que nos parece, a última alternativa é reduzir custos de
pessoal e despesas gerais, aumentar o faturamento e demonstrar capacidade de
pagamento da dívida em 23 anos, se os credores aceitarem esse tempo elástico.
Como uma empresa que detinha um monopólio, consumo compulsório,
comprava um produto a R$ 20 por MWh e vendia por R$ 66 chegou a esta situação é
a pergunta que fica para grandes debates que podem ser promovidos pela UFAL.
Enquanto isso, os verdadeiros responsáveis passeiam impunemente pelas ruas, são até
administrativamente promovidos e enaltecidos nos mais diversos fóruns e na mídia.

PS. Posta à venda, ninguém quis comprar a CEAL e assim foi federalizada em 1998,
passando a se chamar Eletrobras Distribuição Alagoas. Desde esse ano até hoje, a
Eletrobras aportou R$ 2,6 bi. Nos últimos cinco anos endividou-se R$ 210 mi/ano.
Em junho 2015 perdeu a concessão e voltou a ser chamada de CEAL, ficando como
uma prestadora de serviço até que fosse privatizada. Em 2017, registrou perdas totais
(técnicas+comerciais) de 23,31% e foi a penúltima no ranking da continuidade do
serviço, num total de 33 distribuidoras acompanhadas pela ANEEL. Vários embates
político-ideológico-jurídicos evitaram anteriormente a sua privatização e pela
legislação atual seria liquidada em 31 de dezembro de 2018. Foi finalmente
arrematada pela Equatorial Energia em 28 de dezembro de 2018, na B3, Bolsa de
Valores de São Paulo, por um valor simbólico de R$ 50 mil, nas seguintes condições:
Patrimônio Líquido Negativo = R$ 546 milhões (valor do aporte de capital feito)
Prejuízo acumulado nos últimos 5 anos = R$ 1,2 bilhões
Número de clientes = 1.117.108
Mercado = 3.307.138 MWh
Número de empregados = 1.200
Salário médio = R$ 9.308,00
Passivo de Longo Prazo = R$ 1,88 bilhão
Investimento a ser feito nos próximos 5 anos = R$ 837 milhões
Flexibilização tarifária (índice custos operacionais, perdas técnicas e empréstimos da
Reserva Global de Reversão) = 45,47%
Índice combinado da flexibilização tarifária e outorga = Zero, sem deságio
Reflexo final na redução tarifária = 4,7%

 

Ouvidor Geral 31-12-2018

faixa presidencial

NINGUÉM CONHECE O NOVO

E o novo ano vem realmente novo para nós brasileiros uma vez que estaremos vivendo um novo comando na nação e de alguém absolutamente calouro na missão. Por mais que seja uma pessoa com 28 anos de vida legislativa só o conheceremos no comando da nação quando estiver carregando a enorme carga de ser presidente de todos os brasileiros. Ele chega com grandes propostas e o primeiro desafio é exatamente o de precisar administrar cisões uma vez que veio de uma campanha e de uma eleição absolutamente acirradas. É esse acirramento que precisa ficar pra trás entre todos os brasileiros que precisam pensar no destino deste grande país e apoiar com críticas, com oposições honestas e produtivas o homem que será o presidente de todos nós. O nome de nossa aposta precisa ser Brasil. É nele, Brasil, que precisamos acreditar, confiar e amar. Não se pode apostar no fracasso de um presidente só porque não esteve entre os preferidos de alguns. Ou de muitos. Agora, a cara da campanha tem que ficar pra trás. A face do Brasil é a que vale. Fosse outro candidato o ganhador e estaríamos colocando aqui a mesma teoria. O Brasil vive um período profundamente difícil e necessita de garra, de decência e de honestidade nos homens que o governarão. O respeito à constituição, aos nossos símbolos pátrios mas, sobretudo, o respeito que devemos nutrir uns com os outros. Somos todos brasileiros, filhos da mesma nação e dela e por ela é que precisamos viver e apostar. O mais será pura especulação. Vamos acreditar no novo porque o velho já está acabando. Viva 2019!

DESTACÔMETRO

OTÁVIO LESSA 4.jpg

O destaque, sem dúvida, neste princípio de 2019 vai para o Conselheiro do Tribunal de Contas, Otávio Lessa que por mais uma vez foi eleito por unanimidade presidente daquela instituição  a que estará à frente nos próximos dois anos com boas e produtivas idéias.

PÍLULAS DO OUVIDOR

Nesta eleição para o Tribunal de Contas os demais cargos foram ocupados da seguinte maneira: Vice-presidente – Rosa Albuquerque, Corregedora – Maria Cleide, Ouvidor Geral – Rodrigo Cavalcante e Diretor da Escola de Contas – Anselmo Brito.

A posse protocolar no Tribunal de Contas acontece nesta segunda-feira, 10 horas da manhã apenas para assinatura dos livros já que o novo Corpo Diretivo deverá estar devidamente atuante a partir de terça, dia 1o de fevereiro.

O presidente Bolsonaro e governadores dos estados tomam posse neste dia 1 de janeiro dando início a um novo ciclo na política e na administração brasileira. Muito jogo de cintura e muita conversa devem fazer parte das novas ações.

Os que estão na reeleição como é o caso do governador Renan Filho precisam se preocupar em não deixarem valer o credo popular que afirma que segundo governo é sempre o pior. Não é e não precisa ser.

A propósito de Alagoas neste ítem muita gente está com as barbas de molho esperando para ver quem continua e quem sobra no secretariado do segundo governo alagoano. As composições foram feitas e o governador vai respeitar.

Enquanto isso, o prefeito Ruy Palmeira está rindo a toa com os 70 milhões do empréstimo que vão entrar nos cofres da Prefeitura de Maceió. Vamos esperar para ver como vai ser a aplicação desses recursos porque o sucessor vai pagar a dívida.

Se for para infra-estrutura e sobretudo para saneamento básico estaremos daqui batendo palmas. A propósito disso, já que o Reginaldo e o Salgadinho estão mortos é bom que o prefeito ouça os que têm solução alternativa.   

Mas o prefeito deu uma dentro e de primeira categoria ao nomear a brilhante profissional do jornalismo que é Eliane Aquino para o cargo de Secretária Municipal de Comunicação. Eliane sabe das coisas.

O fato é que o ano de 2019 será de grandes desafios, os quadros mudaram em vários pontos do país, o desconhecido será a tônica do ano em vários estados e no governo federal e o Brasil torce para ser beneficiado com boas administrações.

SARA FORTES E ROCHA

Essa jovem menina de 16 anos, Sara Fortes (foto) é uma campeã com quase duzentas medalhas na arte do hipismo. Domina o esporte em São Paulo. Ao lado dela seu tio Rocha, um ás na vaquejada da qual Sara também já participa.

ABRAÇOS IMPRESSOS

OSMAN E GERALDO BENSON

Os abraços impressos vão para dois grandes artistas: Osman, que andava afastado dos palcos e agora está de volta e o grande violonista, Geraldo Benson. Vale a pena vê-los e ouvi-los.

  

Ouvidor Geral 31-12-2018

faixa presidencial

NINGUÉM CONHECE O NOVO

E o novo ano vem realmente novo para nós brasileiros uma vez que estaremos vivendo um novo comando na nação e de alguém absolutamente calouro na missão. Por mais que seja uma pessoa com 28 anos de vida legislativa só o conheceremos no comando da nação quando estiver carregando a enorme carga de ser presidente de todos os brasileiros. Ele chega com grandes propostas e o primeiro desafio é exatamente o de precisar administrar cisões uma vez que veio de uma campanha e de uma eleição absolutamente acirradas. É esse acirramento que precisa ficar pra trás entre todos os brasileiros que precisam pensar no destino deste grande país e apoiar com críticas, com oposições honestas e produtivas o homem que será o presidente de todos nós. O nome de nossa aposta precisa ser Brasil. É nele, Brasil, que precisamos acreditar, confiar e amar. Não se pode apostar no fracasso de um presidente só porque não esteve entre os preferidos de alguns. Ou de muitos. Agora, a cara da campanha tem que ficar pra trás. A face do Brasil é a que vale. Fosse outro candidato o ganhador e estaríamos colocando aqui a mesma teoria. O Brasil vive um período profundamente difícil e necessita de garra, de decência e de honestidade nos homens que o governarão. O respeito à constituição, aos nossos símbolos pátrios mas, sobretudo, o respeito que devemos nutrir uns com os outros. Somos todos brasileiros, filhos da mesma nação e dela e por ela é que precisamos viver e apostar. O mais será pura especulação. Vamos acreditar no novo porque o velho já está acabando. Viva 2019!

DESTACÔMETRO

O destaque, sem dúvida, neste princípio de 2019 vai para o Conselheiro do Tribunal de Contas, Otávio Lessa que por mais uma vez foi eleito por unanimidade presidente daquela instituição  a que estará à frente nos próximos dois anos com boas e produtivas idéias.

PÍLULAS DO OUVIDOR

Nesta eleição para o Tribunal de Contas os demais cargos foram ocupados da seguinte maneira: Vice-presidente – Rosa Albuquerque, Corregedora – Maria Cleide, Ouvidor Geral – Rodrigo Cavalcante e Diretor da Escola de Contas – Anselmo Brito.

A posse protocolar no Tribunal de Contas acontece nesta segunda-feira, 10 horas da manhã apenas para assinatura dos livros já que o novo Corpo Diretivo deverá estar devidamente atuante a partir de terça, dia 1o de fevereiro.

O presidente Bolsonaro e governadores dos estados tomam posse neste dia 1 de janeiro dando início a um novo ciclo na política e na administração brasileira. Muito jogo de cintura e muita conversa devem fazer parte das novas ações.

Os que estão na reeleição como é o caso do governador Renan Filho precisam se preocupar em não deixarem valer o credo popular que afirma que segundo governo é sempre o pior. Não é e não precisa ser.

A propósito de Alagoas neste ítem muita gente está com as barbas de molho esperando para ver quem continua e quem sobra no secretariado do segundo governo alagoano. As composições foram feitas e o governador vai respeitar.

Enquanto isso, o prefeito Ruy Palmeira está rindo a toa com os 70 milhões do empréstimo que vão entrar nos cofres da Prefeitura de Maceió. Vamos esperar para ver como vai ser a aplicação desses recursos porque o sucessor vai pagar a dívida.

Se for para infra-estrutura e sobretudo para saneamento básico estaremos daqui batendo palmas. A propósito disso, já que o Reginaldo e o Salgadinho estão mortos é bom que o prefeito ouça os que têm solução alternativa.   

Mas o prefeito deu uma dentro e de primeira categoria ao nomear a brilhante profissional do jornalismo que é Eliane Aquino para o cargo de Secretária Municipal de Comunicação. Eliane sabe das coisas.

O fato é que o ano de 2019 será de grandes desafios, os quadros mudaram em vários pontos do país, o desconhecido será a tônica do ano em vários estados e no governo federal e o Brasil torce para ser beneficiado com boas administrações.

SARA FORTES E ROCHA

Essa jovem menina de 16 anos, Sara Fortes (foto) é uma campeã com quase duzentas medalhas na arte do hipismo. Domina o esporte em São Paulo. Ao lado dela seu tio Rocha, um ás na vaquejada da qual Sara também já participa.

ABRAÇOS IMPRESSOS

OSMAN E GERALDO BENSON

Os abraços impressos vão para dois grandes artistas: Osman, que andava afastado dos palcos e agora está de volta e o grande violonista, Geraldo Benson. Vale a pena vê-los e ouvi-los.