Ir para conteúdo

Ouvidor Geral 24-01-2022

“Ouvidor Geral” para o jornal Primeira Edição de 24-01-2022 – Geraldo Câmara

      ELZA

               Afirmo com absoluta convicção de que pouca gente conheceu a grande cantora Elza Soares, como eu e minha família. O ano era 1982, talvez 1983 quando soubemos que Elza Soares estava morando no Recife, onde residíamos e onde eu possuía duas casas de show: O Sambalelê e o Club 100, além da segunda maior agência de publicidade da época, a GNP – Grupo Nacional de Promoções. Não sei exatamente como descobrimos que ela teria uma casa que pretenderia ser de show, pequena, modesta, no bairro do Pina. Um dia fomos lá e a encontramos tentando levantar a casa e reformar a vida que vinha de um período sofrido. Moravam no mesmo lugar, no primeiro andar, ela, Garrinchinha, seu filhinho com sete anos de idade do relacionamento com Garrincha e uma pessoa com quem estava vivendo, se não me engano o nome era André. Nossa aproximação gerou uma amizade, sobretudo porque Garrinchinha integrou-se com meus filhos mais moços e daí também foi um pouco para o lado profissional. Eu e meu sócio na Agência, o falecido Oliveira Junior propusemos que ela gravasse um jingle para um cliente nosso, “Credimóveis Novolar” o que foi feito e o comercial para televisão fez um grande sucesso. Pouco tempo depois pensamos em colocar um Selo Musical e gravamos com ela um disco onde inclusive figurava uma música de minha autoria “Trabalha, trabalha, meu povo,,,”  Esse disco não foi além da gravação porque pouco tempo depois ela separou-se do marido, foi embora para o Rio de Janeiro e refez a carreira que se viu até agora. Ainda tivemos alguns contatos, inclusive quando em 1984 Garrinchinha sofreu um acidente de carro e faleceu. Mas, lhes digo que conhecemos uma guerreira. Sofrida demais. E observem que essa fase dela no Recife ninguém comenta ou muito pouca gente soube.

DESTACÔMETRO

                       Uma figura ímpar da medicina alagoana é o médico Abílio Lopes, especializado em cirurgia de cabeça e pescoço, uma das mais difíceis da medicina. Abílio é um amigo médico e um médico amigo. Sempre que puder será nosso destaque.

PÍLULAS DO OUVIDOR

A preocupação com a intensidade com que a “Ômicron” se espalha pelo mundo vai dando gradativamente uma sensação de que realmente ela contamina mais rápido do que a Covid 19, mas faz menos estragos nas pessoas.

A esperança é de que realmente isto esteja acontecendo porque não só a vacinação tenha ajudado muito, mas também porque a força do vírus vai diminuindo à medida em que vai encontrando resistência do corpo humano.

Não estou inventando a roda e muito menos me metendo onde não sou chamado e nem poderia. Estou replicando o que tenho ouvido e lido durante todo este tempo como palavras e afirmações da ciência.

E, portanto, tudo o que vier da ciência dever ser mostrado, falado e não discutido a não ser entre eles. Mas as boas novas, as experiências positivas, essas sim, devem ser mostradas ao público leitor, televisivo ou de internet. Em massa.

Um médico, nem quero dizer o nome, faz a seguinte provocação pela internet: “Você gostaria de normalizar os seus exames de colesterol, triglicerídeos, glicemia e entre outros… limpar as suas veias e artérias entupidas… e tornar o seu coração à prova de infarto ou AVC?” É piada, não é?

É outra coisa que precisamos combater. Os médicos eram proibidos de fazerem propaganda em causa própria. Agora, a internet está lotada deles que apresentam pílulas milagrosas em todos os níveis. Não estou gostando. É bom avaliar, ANVISA.

O ecoturismo está cada vez mais em alta e a melhor opção para reaquecer o mercado do turismo, segundo a OMT. Sem dúvidas, rever totalmente o turismo global pode representar uma oportunidade no pós-pandemia. É o ar livre e respirável, gente!

Temos que dar os parabéns para a operação “Ronda dos Bairros”. Os amarelinhos realmente funcionam e, nesta época de turismo estão deixando os turistas muito mais descansados do que antes. A sensação de segurança vale. E muito.

O presidente do Clube de Engenharia, Aloysio Ferreira de Souza (foto) foi bem mais longe no seu amor pelo clube que dirige há mais de 30 anos e escreveu o livro “Uma História de Paixão”, contando a vida do clube, dirigentes e afins. Muito bom!

ABRAÇOS IMPRESSOS

                       Os abraços impressos da semana vão para o amigo e o competentíssimo presidente da FAPEAL, Fábio Guedes. Sabe tudo sobre pesquisa, sobre educação e dá gosto vê-lo discorrendo sobre qualquer desses assuntos. Abração, amigo!

Categorias

OUVIDOR GERAL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s