Ir para conteúdo

A hora é de gerar trabalho, não só emprego

A realidade do nosso estado precisa ser enfrentada com coragem, mas, sobretudo, com sinceridade. Quando falamos em segurança, por exemplo, queremos ir buscar no social todas as culpas para o estado de quase pânico em que vivemos. E aí, vemos as autoridades e os analistas de plantão buscando desculpas na falta de educação e na desproporcionalidade da renda da população. Tudo isto seria perfeito não fora a falta de sensibilidade para que determinadas ações sejam tocadas sem a necessidade de grandes estruturas institucionais, mas simplesmente usando o bom senso e os exemplos de atitudes vitoriosas. Daí, o título deste artigo que pede para que se deixe em segundo plano a geração de emprego e se coloque na vitrine a geração de trabalho como o fator mais importante para o cidadão, para a família, para a comunidade e para a segurança de um povo.

A questão, complexa, sem dúvida, busca apoio em vários aspectos, todos eles voltados para o cooperativismo, esta força de união ou esta união de forças como o queiram chamar que muda vidas, que provoca crescimento, que gera trabalho, energia e riqueza. Se os dirigentes não o desejam, se insistem em negar a sua força isto é estória que pode fazê-los, um dia., entrar na história como vencedores ou como fracassados.

Num estado pobre como Alagoas, mas rico de gente, de idéias e de vocações, a necessidade de se gerar trabalho é ainda maior do que em outros estados. O inchaço das grandes cidades, como Maceió, a migração constante em outros municípios, a pobreza na linha da miséria, tudo isto, deve-se à falta de produção, de trabalho, de incentivo, de capacitação e de qualificação, metas que podem e devem ser alcançadas não pelo poder público, mas através do poder público, como instrumento necessário ao incentivo que a população deve ter para encontrar o seu destino.

Nas cooperativas, todos são donos do seu próprio negócio; todos progridem na razão direta do seu trabalho e da sua produtividade, por mais humilde que seja esse trabalho.

No entanto, haveremos de convir que ninguém, principalmente nas faixas mais carentes de educação, pode sair por aí, abrindo cooperativas ou pequenos negócios, sem que sejam motivados e instruídos para tal. É onde entra o nosso projeto que, anos atrás, foi exaustivamente colocado em gabinetes de decisão deste estado, sem que tivesse a repercussão necessária, mas que, temos a certeza de podermos levar adiante, quem sabe, como projeto estruturante para o futuro de Alagoas ou de uma cidade como Maceió, por exemplo.

A idéia é que seja criada a AFC – Agência de Fomento ao Cooperativismo, gerida por autoridades governamentais e da iniciativa privada (ligada ao cooperativismo) com as funções de mapear vocacionalmente a cidade ou o estado, dependendo da abrangência da agência, estimular, em função das vocações, a criação de novas cooperativas, capacitar, qualificar e orientar através da OCB-AL, estimular o crédito cooperativo e cidadão e, com isto, gerar trabalho em todos os pontos do estado ou da cidade, acabando com a ociosidade e com a busca desesperada pelo emprego tradicional.

Que não se diga que este não é o papel do governo ou das prefeituras porque o é; e como exemplo desta afirmação, o Ministério do Trabalho e Emprego, criou há pouco tempo a Secretaria de Economia Solidária, a SENAES, exclusivamente para os assuntos de associativismo e cooperativismo aplicando 40 milhões no Brasil, sem nenhuma demanda do estado de Alagoas.

É preciso acreditar. A nossa Pindorama não nasceu grande e é uma enorme demonstração da força do cooperativismo. Aos 21 anos tive a honra de ser diretor-comercial de uma cooperativa, uma das maiores do país, a CCPL – Cooperativa Central dos Produtores de Leite e que continua liderando no Rio de Janeiro. Mas, nem precisamos pensar tão alto. Pensemos na formação de cooperativas no sertão, em todas as regiões do estado e até sabemos de que tipos, mas coerentes com o que pensamos e escrevemos, o mapa vocacional antes de tudo.

Importante, governador e prefeitos é que se acredite que a “idéia nova é uma nova conjugação de velhos elementos” e que a nova conjugação que propomos é a aglutinação do desejo e da necessidade orientados por uma ação governamental que só pode trazer resultados os mais positivos.

Abrir os olhos para o cooperativismo é criar motivos para gerar cabeças pensantes e ativas. Uma segurança, sem dúvida.  

Categorias

ARTIGOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s